Bruno Fuser: Câncer de próstata: precisamos tocar nessa ideia

A estimativa do Instituto Nacional do Câncer, Inca, é que 60 mil novos casos da doença surjam a cada ano no país

Por bferreira

Rio - Neste domingo, é celebrado um dia pouco conhecido no Brasil: o Novembro Azul, movimento mundial que começou na Austrália, em 1999, a fim de conscientizar os homens sobre a importância de se prevenir contra o câncer de próstata.

De lá para cá, países como os Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Dinamarca, Espanha e Grécia aderiram à campanha. O movimento vem ganhando força no Brasil desde o ano passado, mesmo não estando oficialmente no calendário do Ministério da Saúde.

A estimativa do Instituto Nacional do Câncer, Inca, é que 60 mil novos casos da doença surjam a cada ano no país. O Ministério da Saúde recomenda que a prevenção contra este tipo de neoplasia comece por volta dos 50 anos.

Anualmente, os homens devem fazer dois exames elementares pra o diagnóstico da doe nça: o teste sanguíneo do PSA e o toque retal. Em casos de suspeita, é necessário realizar uma biópsia para confirmação do tumor.

Mas o grande temor dos homens ainda está relacionado ao mito do toque retal. A cultura masculina faz com que a maioria pule essa etapa de prevenção. Acham que nunca terão nada ou que isso afetará a sua masculinidade. Com isso, a doença acaba sendo tardiamente identificada.

Precisamos mudar essa cultura, pois um simples exame é incapaz de tirar a masculinidade de alguém. O toque é rápido (dura no máximo 15 segundos), simples e indolor. Apesar dos avanços tecnológicos, o antigo método ainda é um meio importante de identificar aumento, anomalia ou endurecimento da região.

O diagnóstico precoce e o tratamento correto dão ao paciente 90% de chances de cura. Não deixe de realizar os exames preventivos, pois uma vida saudável vale muito mais que um simples exame. Pense nisso!

Especialista em oncologia pelo Hospital Royal Marsden e Instituto de Câncer de Londres

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia