Por tamyres.matos

Rio - Já notou que somente aquelas pessoas muito próximas de nós é que são capazes de entender as coisas mais confusas, doidas ou absurdas que a gente faz? Por que será que é assim? Cheguei à conclusão de que só elas nos entendem porque conhecem um pouco do nosso coração e não ligam para as aparências. Sabe por quê? Veja o que diz a Palavra de Deus: “Um amigo fiel é uma poderosa proteção: quem o achou descobriu um tesouro. Nada é comparável a um amigo fiel, o ouro e a prata não merecem ser postos em paralelo com a sinceridade de sua fé. Um amigo fiel é um remédio de vida e imortalidade; quem teme ao Senhor achará esse amigo” (Eclo 6,14-16).

Então, quando a gente reza o trecho desta semana, na ‘Oração da Paz’, popularmente conhecida como ‘Oração de São Francisco’, a gente também pode dizer que está pedindo a Deus a graça de saber ser um bom amigo. Perceba: “Ó, Mestre, fazei que eu procure mais... compreender que ser compreendido.”

Só um amigo verdadeiro é capaz de compreender até mesmo as coisas mais desencontradas que alguém faça, porque a amizade sincera não se limita ao exterior. Ela averigua as motivações do indivíduo. E, a partir daí, leva a respeitar o limite do outro, o que importa para ele, os sonhos que tem... Como é bonito ler na Bíblia, nos versículos destacados acima, que nada vale mais do que um amigo fiel, por causa da “sinceridade da sua fé” (em nós!) e que ele é “remédio de vida e imortalidade”. Ou seja, um amigo traz em si, com o seu zelo, a cura para tudo aquilo que nos mata, nos faz perder a vitalidade, a alegria.

Mas, hoje em dia, é fácil achar um amigo assim? Não! Não é, infelizmente! Porque as pessoas têm medo de se dar umas às outras em amizade. Vivem desconfiadas, evitam laços de afeto, têm receio de aconselhar, de dizer verdades. Parece que a cultura nos sela com a prática do que é superficial... Então, talvez seja justamente por isso que Deus conta conosco para ser amigo fiel neste mundo que parece querer extinguir a chama da amizade verdadeira. É o Senhor que quer que eu e você sejamos aquele que compreende o outro, que procura olhar nos seus olhos e enxergar o coração.

O lindo de compreender também está no exercício que se faz ao parar para ouvir o outro. Quando a gente se dispõe a ouvir, se coloca atentamente ao lado de quem precisa da nossa compreensão; na verdade, a gente está amando aquela pessoa, porque não está ali para julgá-la, mas apenas para acolhê-la. E então, quando chega a nossa vez de falar a ela, de onde vêm as palavras certas? O bom conselho? De nós mesmos, será? Ora, se amamos, Deus aí está, porque: “Deus é amor, e quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele” (IJo4,16b).

Olhar nos olhos de alguém e tentar enxergar o coração, ao compreender, não é fácil. Mas eu me disponho porque não posso permitir que a superficialidade tome conta dos meus relacionamentos. Deus conta comigo para não dar migalhas a ninguém. Eu topo o desafio! E você, aceita se abrir aos outros, ser amigo, compreender... amar? ‘Tamu junto’! Tenha um feliz e abençoado Natal!

Você pode gostar