Por bferreira

Rio - Assim como para algumas pessoas a felicidade é o caminho natural, para outras é a infelicidade. Peguei o pedaço de uma conversa de um amigo ao telefone com outro. Ele repetia: “Mas isso tudo que você está dizendo é ótimo!” E insistia: “Se quando é ruim você fica triste e quando é bom você também fica triste, então não dá. É um compromisso com a tristeza”.

Achei muito boa a conclusão dele e comecei a refletir sobre isso. Para algumas pessoas, o compromisso com a tristeza é maior que qualquer caminho para alcançar a felicidade. Se o que você queria há muito tempo aconteceu, é estranho, você não deve merecer isso. Ou é porque alguma coisa ruim vai vir mais à frente, não pode ser. E não adianta alguém com mentalidade positiva tentar compreender ou mudar isso, ou tentar convencer o cidadão, pois é outra fórmula, outra equação, não é simplesmente uma soma de números pares.

É como a visão do Espantalho do Batman, vilão e rival do grande herói dos quadrinhos, que com o gás lançado contra o oponente deturpa tudo ao redor e aquela névoa comprime o olhar. O outro só enxerga o pior, seu mais profundo medo... aquilo acaba com você, liberta da censura interna todos os seus fantasmas, que assombram seus mais singelos pensamentos com nuvenzinhas negras.

É muito fácil julgar o comportamento alheio e por isso mesmo provavelmente errado, pois cada ser humano é uma máquina própria, que opera a seu modo, com toda a sua bagagem. É uma bobagem simplificar tudo como peões de jogo de tabuleiro, pois não tem regra. Não queira você, com a sua mente e história, resumir tudo do outro e achar que tem a bula para entender quem nem mesmo se entende.

Cada um tem seus sintomas e você não é responsável pelo desconforto do outro. Cada um que lide com seu próprio desconforto e tente encontrar a solução para os problemas pessoais. Isso é o melhor que alguém que se julga feliz pode fazer por quem acha que está fadado à infelicidade. Deixar que cada um descubra a raiz de suas próprias dores. E para tal, é preciso estar disposto, pois nem todos têm disposição para mexer em casa de marimbondo. Melhor não saber.

Ser feliz e vislumbrar o melhor pode ser uma questão de personalidade, educação, herança, aprendizado, exercício diário, visão de vida, realização por se sentir bem, solidariedade, generosidade, otimismo, bem-estar e N fatores. Ser infeliz também. Pegar tudo e misturar num caldeirão só dificulta a identificação de cada ingrediente.

E-mail: karlaprado@odia.com.br

Você pode gostar