Editorial: Transparência pode melhorar a polícia

Causou no mínimo estranhamento a cena do policial morto supostamente num assalto a seu carro, um vistoso Camaro amarelo, com R$ 100 mil em espécie

Por thiago.antunes

Rio - Causou no mínimo estranhamento a cena do policial morto supostamente num assalto a seu carro, um vistoso Camaro amarelo, com R$ 100 mil em espécie. Logo surgiram explicações, mas a desconfiança fala mais alto. O caso motivou a publicação de decreto que passa a monitorar a evolução patrimonial das forças de segurança — incluindo policiais civis e militares e bombeiros. A medida pode soar impopular, mas ajudará a melhorar as corporações.

É sabido que os agentes da lei no estado ganham muito aquém do que merecem. Mas nada justifica corromper-se — desvios com vistas ao enriquecimento ilícito são condenáveis em qualquer esfera, mas intoleráveis no campo policial. Cada um é livre para fazer o que bem entender nas horas vagas, desde que honestamente.

A transparência no patrimônio das tropas apontará casos suspeitos que podem revelar conivência com o tráfico, recebimento de suborno, chantagens e até envolvimento com a milícia, hoje ainda um câncer para o estado.

Interessante seria estender a transparência a toda a classe política e lutar por salários mais dignos a policiais e bombeiros. A cobrança sem contrapartida pode minar o moral das tropas e ser um tiro no pé.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia