Por bferreira

Rio - A população, principalmente a do Sudeste, tem sentido na pele os efeitos da falta d’água. Mudar o nosso comportamento em relação ao consumo é algo essencial para que possamos alcançar resultados relevantes. Mas toda mudança é difícil. O processo de conscientização leva tempo, requer disposição, insistência, convencimento e, acima de tudo engajamento. Não pode ser um trabalho pontual, mas contínuo.

Infelizmente, às vezes as mudanças acontecem com o enfrentamento de dificuldades. O racionamento pelo qual algumas regiões do Brasil têm passado pode servir como momento de reflexão. Talvez essa seja a hora de repensarmos nosso comportamento, reavaliarmos nossos hábitos.

Na Ambev, há anos, temos causa pública: a preservação e a conscientização pelo consumo racional. Na companhia, sempre dizemos que “a gente não sai por aí abraçando árvore”. Nós elegemos a água como principal causa porque isso faz sentido para a sustentabilidade do negócio. Mas, acima de tudo, também traz benefícios para a sociedade.

Nosso trabalho para preservar a água começou há mais de 20 anos, quando criamos o Sistema de Gestão Ambiental para estabelecer metas e monitorar a evolução de índices de ecoeficiência das unidades fabris. Hoje, administramos essas metas com o mesmo rigor com que controlamos os custos de produção e projetamos vendas.

Graças ao desenvolvimento de processos produtivos, reaproveitamento e monitoramento rigoroso, nós nos tornamos referência mundial em economia de água na produção de bebidas. Em 2013, chegamos ao extraordinário índice de 3,34 litros de água para a produção de 1 litro de bebida. No início dos anos 2000, esse número era superior a cinco litros de água. Para se ter uma ideia, entre 2002 e 2013, o índice de consumo de água da Ambev caiu em 38%. São números que mostram que estamos no caminho certo e refletem nosso comprometimento genuíno na preservação da água.

Não estamos satisfeitos. Essa insatisfação saudável nos faz seguir em frente e nos motiva a melhorar ainda mais. Nossa meta é chegar em 2017 utilizando apenas 3,2 litros de água para cada litro de bebida.
Hoje, costumamos dizer que já fizemos nosso trabalho de casa. Ou seja, já nosso trabalho interno de economia de água é eficiente. Decidimos então que era hora de atuar fora dos nossos muros, engajando diversos agentes de sociedade.

Para isso, em 2010, lançamos o Movimento Cyan, um amplo conjunto de iniciativas para mobilizar e conscientizar a população para o uso racional da água. O Cyan é composto por diversas iniciativas, como o Projeto Bacias. Em 2014, comemoramos quatro anos desse projeto, que consiste em recuperar e preservar as principais bacias hidrográficas do Brasil.

Iniciamos o Bacias no Distrito Federal, em parceria com o WWF-Brasil, com a adoção da Bacia Hidrográfica Corumbá-Paranoá. Hoje também atuamos, em conjunto do a ONG The Nature Conservancy, nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, no Estado de São Paulo.

Esse é mais um exemplo de que é possível mudar a realidade do país atuando em rede, com a mobilização de diversos parceiros, todos juntos, por uma causa maior. Esses exemplos positivos, que demonstram que é possível conciliar produtividade a boas práticas ambientais.

Ricardo Rolim é diretor de Relações Institucionais, Sustentabilidade e Comunicação da Ambev

Você pode gostar