Editorial: 'Nem-nem', gargalo para uma geração

Alvo de diferentes estudos nos últimos anos, a geração ‘nem-nem’ representa um sério risco para o desenvolvimento do país

Por bferreira

Rio - Alvo de diferentes estudos nos últimos anos, a geração ‘nem-nem’ — que não trabalha e não se interessa em terminar os estudos — representa um sério risco para o desenvolvimento do país. Quanto maior o percentual de desocupados sem Educação, pior para reverter o quadro. E a Baixada é um desses bolsões, como O DIA mostrou domingo, dentro das reportagens em parceria com a Casa Fluminense: um terço dos jovens entre 18 e 24 anos estão nesse segmento.

Num mercado cada vez mais exigente de especializações e competências, um ‘nem-nem’ é inservível, restando-lhe subempregos e bicos. Multiplicando por cem mil, tem-se um universo de excluídos. Uma geração à toa.

O problema não necessariamente passa por falta de emprego. A questão maior é atrair esse jovem para a escola, e aí esbarra-se em metodologias ultrapassadas, currículos engessados e dessincronia com tecnologias — fora que, muitas vezes, o colégio deixa de oferecer ensino profissionalizante. Como se vê, é um desafio de grandes dimensões, mas que não pode ser deixado para depois, ou será tarde demais para milhares de jovens brasileiros.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia