Vivianne Jundi: Coragem e recomeço

Ter alguém ao nosso lado nos dá a sensação de pertencimento e nos conforta

Por thiago.antunes

Rio - Como muitas mulheres no mundo, busco encontrar o equilíbrio entre ser uma boa mãe, profissional, esposa, filha, irmã, amiga e dona de casa. E com isso tudo, ser feliz! Nas férias de inverno, por exemplo, busquei aprofundar minha relação com meus dois filhos. Foi um tempo de amor, de cumplicidade, diversão, longas conversas, de muito prazer.

Também reafirmei as regras, deixando claro que elas precisam ser seguidas para que possam viver melhor e ser felizes. Procurei melhorar a relação entre eles e mostrar que essa companhia, apesar de muitas vezes trazer conflito, pode proporcionar um prazer imenso. Que delícia ter alguém para brincar, te ajudar, que ri das mesmas coisas que você! Ter alguém ao nosso lado nos dá a sensação de pertencimento e nos conforta.

Volto a fazer um projeto para televisão, mercado em que atuo desde a faculdade, tendo transitado pelo cinema. Em 2005, vim para o Rio e trabalhava com a energia de uma jovem sem filhos. Dedicava minhas conversas e preocupações à minha carreira em parceria com meu marido.

No ano seguinte, já dirigia uma novela. Então, em 2008, nasceu minha primeira filha. Senti um amor tão profundo! Precisava elaborar uma melhor forma de viver a experiência materna e ainda crescer profissionalmente. Queria passar mais tempo com ela, ter mais saúde e uma rotina menos caótica. Meu amor por ela me deu coragem para lutar por isso no meu trabalho. Não foi fácil, mas foi algo que conquistei por nós.

Quando meu segundo filho nasceu, em 2012, parece que uma avalanche caiu sobre mim. Ele chegou cheio de força, alegria e vitalidade! A energia necessária para cuidar de dois não foi somente multiplicada por dois. Quando se tem dois (ou mais) filhos, é preciso cuidar também da relação entre eles. Ela exige mais atenção para que aconteça de forma saudável e feliz.

Hoje, sei que tenho dois intensos e desafiadores projetos: educar meus filhos com muito amor e continuar investindo na minha carreira, que acredito ainda ter boas surpresas pela frente. Não me sinto tão jovem e com energia sobrando, mas reorganizei minhas prioridades para poder dar conta do que preciso. Como mãe de dois, precisei ter coragem para adaptar minha realidade profissional as minhas novas necessidades práticas e emocionais. É essa coragem que hoje me permite ser feliz!

Vivianne Jundi é diretora de televisão

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia