Mais Lidas

Iranildo Campos: Rigor contra extermínio

Os sucessivos ataques a UPPs deixam evidente que tanto a legislação quanto a ação do Estado precisam ser reforçadas

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A cada cinco dias, um policial militar é morto no Estado do Rio. Nos últimos três anos, mais de 2 mil foram retirados à força das ruas em ações violentas. Não são estatísticas frias — e, sim, o retrato de uma guerra urbana. Agentes da lei, cuja missão é proteger vidas, estão sendo caçados e exibidos como troféus por bandidos muito bem armados. Em clara afronta ao poder público, o crime organizado põe a cabeça de PMs a prêmio e tira de combate homens e mulheres que têm como dever zelar pela segurança alheia. A maioria é executada fora de serviço, sem chance de defesa.

Os sucessivos ataques a UPPs deixam evidente que tanto a legislação quanto a ação do Estado precisam ser reforçadas. É inaceitável que policiais fiquem acuados, sem poder de exercer plenamente suas funções. Ao Estado compete valorizar a carreira, melhorando salários e condições de trabalho. Vale citar medidas básicas: blindagem de cabines e unidades em área de UPPs; respeito ao descanso do PM; compra de equipamentos eficientes e treinamento contínuo.

Outro grande avanço na luta contra o extermínio de policiais está no endurecimento do Código Penal. O responsável pela morte de um agente do Estado deve receber pena maior. Não pode haver tolerância com a barbárie. No Congresso, tramitam projetos que tornam crime hediondo o assassinato de policiais civis e militares, guardas municipais, membros do Ministério Público, da Defensoria Pública e do Judiciário.

Cada vez que um policial é assassinado, a população fica mais vulnerável. Não basta fincar cruzes na areia e chorar pelos mortos. A conta da violência é paga por chefes de família, donas de casa, trabalhadores, crianças, aposentados. A resposta a essa tragédia começa pela articulação dos poderes em torno de ações preventivas, que priorizem a inteligência acima da força. Afinal, o desafio da segurança pública exige planejamento e união de esforços. Com uma legislação mais rigorosa e o enfrentamento sem tréguas ao crime organizado, é possível virar esse jogo. Esse é o preço de viver em paz.

Iranildo Campos é deputado estadual pelo PSD

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia