Mais Lidas

Editorial: Sensação de insegurança cerca o carioca

Mas onde está o estado diante desse vácuo no policiamento? É o mesmo vazio que permite atrocidades como o latrocínio dos jovens Alex e Tayenne

Por thiago.antunes

Rio - O último fim de semana foi marcado por arrastões em diferentes pontos do Rio e por mais um ‘luto’ forçado por morte de bandido, desta vez afetando o comércio e o ir e vir na totalidade dos complexos da Penha e do Alemão. Desnecessário repetir como essas notícias maculam a imagem da cidade. Mas não é exagero voltar a questionar o que a cúpula da Segurança pensa disso e como ela pretende reagir.

Ninguém pode achar normal estar na praia num fim de semana e ter de sair às pressas porque grupelhos provocaram confusão para surrupiar o que está ao alcance das mãos. Também não está nos limites do razoável mães e filhos se refugiarem num teatro porque hordas de pivetes os acuaram para assaltar — e o mesmo sentimento de impotência foi registrado no Cosme Velho. É igualmente gritante o ‘luto’ no Alemão, que rememora tempos sinistros, pré-UPPs, onde o Estado não tinha vez: o que valia eram a palavra e o poder do tráfico.

Mas onde está o estado diante desse vácuo no policiamento? É o mesmo vazio que permite atrocidades como o latrocínio dos jovens Alex e Tayenne, tema discutido neste espaço no sábado. É inadmissível que em pleno verão e com a cidade repleta de turistas a Segurança se mostre tão falha, e tão impotente perante criminosos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia