Editorial: Ainda há tempo de evitar surto

É o caso, portanto, de se repetir a cantilena que todos sabem de cor, mas poucos tiram efetivamente do papel: a atenção permanente dentro de casa e a vigilância atenta da vizinhança

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - O alerta sobre a febre Chikungunya feito pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde deve ser levado a sério pelas autoridades e população. Afinal, o Estado do Rio tem um histórico profícuo de surtos e de mortes deles decorrentes. Descuido cíclico que, como O DIA vem mostrando desde ontem, pode atingir até dois terços da população num curto espaço de tempo.

A chikungunya, felizmente, não é tão letal quanto a dengue, mas causa incômodos tão desagradáveis quanto a virose mais conhecida dos fluminenses — e se espalha com mais facilidade, alertam os especialistas. Afora o desconforto com a doença, há uma questão logística e econômica: as baixas, ainda que temporárias, oriundas do torpor imposto e a megaestrutura para o tratamento maciço trarão um indesejado baque nos cofres.

A seca no sudeste é outro problema. Como observado em São Paulo, o acondicionamento descuidado de água nas casas cria ambientes ideais para a proliferação dos mosquitos vetores das duas doenças. Logo, mesmo no inverno, quando as condições climáticas não são favoráveis à praga, pode haver surto se a população não colaborar.

É o caso, portanto, de se repetir a cantilena que todos sabem de cor, mas poucos tiram efetivamente do papel: a atenção permanente dentro de casa e a vigilância atenta da vizinhança. Bastam dez minutos por semana para conter uma epidemia, por mais anacrônico que seja contar milhares de doentes por causa de um mosquito.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia