João Batista Damasceno: As bombas no Riocentro e no Instituto Lula

Redemocratização juntou opositores de primeira hora e toda a canalha descontente com o regime que ajudara a instituir

Por O Dia

Rio - Dia 11 rememoraremos quatro anos da morte da juíza Patrícia Acioli e, no dia 22, os 39 anos da morte de Juscelino Kubitschek. O aparato repressivo do Estado aperfeiçoou-se durante a ditadura empresarial-militar, e seu pior tentáculo foi o paramilitar, integrado pela ‘linha dura’ do regime, que se notabilizou como esquadrões da morte, não desativados com a redemocratização.

A abertura política não foi imposição dos grupos que se opuseram ao regime, mas dele próprio que se esgotou. Dissidentes ajudaram na transição. Para a abertura, o regime eliminou quem pudesse se opor. Daí serem emblemáticas as mortes dos três líderes da Frente Ampla no mesmo período: Juscelino em 22 de agosto de 1976; Jango em 9 de dezembro e Carlos Lacerda em 21 de maio de 1977. Há dúvidas sobre a causa de tais mortes. Somente Moniz Bandeira afirma categoricamente que Jango morreu de causa natural. Se for para fazer suposições, prefiro as que relacionam as mortes dos líderes da Frente com a ordem documentada para o extermínio da direção do Partido Comunista, visando a assegurar o controle da abertura política em forma “lenta, gradual e segura”.

O general-presidente Geisel atendia às pressões estadunidenses para abertura, mas não sem a oposição dos torturadores que no governo Médici dominaram as instalações militares. A redemocratização aconteceu sob bombas nas bancas de jornal, na ABI, na OAB e na Câmara do Rio, colocadas por membros das gloriosas Forças Armadas que a ela se opunham. A mais emblemática foi a do Riocentro, explodida no colo do terrorista oficial, mantido no Exército até o posto de coronel, no qual se reformou.

A redemocratização juntou opositores de primeira hora e toda a canalha descontente com o regime que ajudara a instituir. Mas o saldo foi a manutenção da estrutura do regime, inclusive o aparato repressivo. A bomba no Instituto Lula decorreu de ação de grupos que jamais foram desarticulados. E nenhuma investigação apurará a autoria. Afinal, quem apura tais crimes compõe os mesmos órgãos do Estado que os comete. A prisão de José Dirceu serviu para sepultar o assunto. Sem adequada cobertura da mídia, fica garantido o acobertamento.

?João Batista Damasceno é doutor em Ciência Política pela UFF e juiz de Direito

Últimas de _legado_Opinião