Editorial: Racismo pede punições exemplares

Punição exemplar é o caminho para desbaratar quadrilhas de ignorantes

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A Polícia Civil deve quebrar o sigilo de 30 perfis que participaram do ataque racista à atriz Taís Araújo. Em sociedades civilizadas, jamais se registrariam ofensas tão vis e tão rasteiras a quaisquer cidadãos. Ainda que faltasse o respeito, haveria a lei, pronta para localizar e punir rapidamente os agressores.

O Brasil está, felizmente, aperfeiçoando seus mecanismos para chegar ao primeiro patamar — o de não deixar racistas impunes. A polícia tem as ferramentas e o arcabouço jurídico necessários para identificar os autores das mensagens, e a Justiça se encarrega das punições previstas. Só assim será possível alcançar o segundo estágio.

Lamenta-se muito persistir um comportamento intolerante, travestido de piadista, mesmo depois da repercussão de casos semelhantes — Maria Júlia Coutinho já foi vítima das agressões. O Brasil não pode tolerá-los, da mesma forma que tem de punir a violência contra a mulher e a intolerância religiosa. Punição exemplar é o caminho para desbaratar quadrilhas de ignorantes.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia