Acusada de matar a própria mãe fez tatuagem com nome do namorado

Casal fez a tatuagens após três semanas de namoro. Eles se conheceram em churrasco da igreja Testemunha de Jeová

Por cadu.bruno

Rio - A adolescente de 17 anos que matou a mãe com as próprias mãos e queimou o corpo, com a ajuda do namorado, Daniel Duarte Peixoto, 21, fez uma tatuagem na cintura com o nome do amado. O rapaz também marcou o nome da jovem no corpo. Segundo o delegado-adjunto Maurício Mendonça, da 32ª DP (Taquara), os dois eram adeptos da igreja Testemunha de Jeová e se conheceram em um churrasco organizado por congregações.

Apesar das proibições da igreja, o casal fez tatuagens após três semanas de namoro. A jovem, que matou a mãe com um "mata-leão" (golpe onde há o enforcamento da vítima), no Cachambi, na Zona Norte, era praticante de muay thai e já havia aplicado os ensinamentos da arte marcial em outra oportunidade.

Foto em rede social mostra mãe e filha na praiaReprodução Internet

De acordo com a polícia, no início do ano ela desarmou um bandido durante tentativa de assalto no Centro do Rio. A adolescente jogou o criminoso no chão e foi amparada por um guarda municipal, mas teria se irritado porque queria dar uma surra no ladrão.

Um caderno contendo o depoimento planejado pela jovem também foi recolhido pela polícia. Nele, ela descreve com detalhes o que os dois diriam aos policiais.

Estudante planejou como encobriria a execução da mãe em um caderno com flores e borboletas Reprodução

O nível de brutalidade lembrou o Caso Richthofen, de 2002, de uma jovem milionária paulista que matou os pais. Desta vez, porém, não houve fortuna envolvida. A vítima, Adriana Moura de Rocha Miranda, de 43 anos, tinha apenas um seguro que pagaria em torno de R$ 15 mil à filha em caso de sua morte.

A polícia investiga se o interesse no bônus motivou a morte, embora a jovem alegue que cometeu o crime porque Adriana reprovava seu namoro. Foi com a ajuda do namorado, Daniel, que a jovem executou a mãe.

A crueldade espantou os policiais. “Ela dormia com a mãe quando aplicou um mata-leão e chamou o namorado para terminar de sufocá-la com um saco plástico. Eles embrulharam o corpo num cobertor, colocaram na mala do carro do Daniel e o levaram para Imbariê, em Caxias. Lá, atearam fogo ao corpo e o deixaram num matagal”, contou o delegado Antônio Ricardo Nunes.

Romance de quatro meses

Segundo as investigações, o crime ocorreu no dia 25 de maio. L. queria se relacionar com o namorado, com quem estaria há quatro meses, sem as reprovações da mãe.

Carro usado pelo casal para levar o corpo da vítima até Imbariê foi uma das pistas do crime para a políciaCarlos Moraes / Agência O Dia

“Ela não mostrou reação nem quando viu as fotos da mãe em estado de decomposição. Mostrou total desprezo. O namorado mostrou arrependimento, mas ela não. Estava tão tranquila que matou a mãe de madrugada e foi ao shopping pouco depois”, disse Antônio Ricardo Nunes.

A jovem confessou o crime e ontem mesmo foi encaminhada ao Departamento-Geral de Ações Socioeducativas (Degase).

Por ser menor, ficará detida por até três anos. Daniel foi para o Complexo de Gericinó e será indiciado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, devendo cumprir pena, se condenado, de 20 a 30 anos.

Daniel põe toda culpa na namorada

Um vídeo obtido pelos policiais da 32ªDP mostra o momento em que o casal de namorados parou num posto de combustíveis no Cachambi, às 4h50m do último dia 25, onde comprou a gasolina usada para atear fogo ao corpo de Adriana.

Na delegacia, ao ser apresentado à imprensa, o técnico em refrigeração Daniel Duarte Peixoto negou ter assassinado a mãe da namorada.

“Eu apenas conduzi o corpo. Não matei ninguém e nem vi ninguém matar ninguém. É apenas isso que eu tenho a declarar”, disse o rapaz, que em seguida confessou estar arrependido “de tudo”. Ele não entrou em mais detalhes sobre o caso.

No início da noite desta quinta, um vídeo repassado pela Polícia Civil ao “RJTV”, da Rede Globo, mostrou parte do depoimento de Daniel Duarte na delegacia.

Nele, o assassino diz que a jovem ateou fogo na própria mãe. “No caso, quem foi e acendeu o fósforo foi ela. A gente foi, pegou, ficou ali um pouco até pegar fogo, entendeu? E fomos embora”, diz o rapaz no vídeo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia