Cabral se reunirá com família de pedreiro desaparecido na Rocinha

Reunião terá a presença do Secretário de Assistência Social e Direitos Humanos

Por bianca.lobianco

Rio - O governador Sérgio Cabral vai se reunir com a família do pedreiro Amarildo Dias de Souza, de 47 anos, que está desaparecido desde o dia 14, após ser levado por PMs da UPP da Rocinha à delegacia para averiguação. O encontro será realizado nesta quarta-feira, às 11h, no Palácio Guanabara, na Zona Sul, e terá a presença do Secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira.

Mais cedo, Cabral disse em seu Twitter que vai mobilizar todo o governo para descobrir onde está Amarildo e identificar os responsáveis pelo seu desaparecimento. "Nada justifica o desaparecimento de uma pessoa que foi checada pelo próprio comandante da UPP como trabalhador", afirmou. 

No último domingo, cerca de 40 pessoas entre parentes e amigos do homem fizeram um protesto na entrada do Parque Ecológico da Rocinha, na Zona Sul, por conta do descaso da PM para encontrar Amarildo.

Polícia apura desavença entre PM e pedreiro

Uma rixa entre um PM da UPP, que participou da operação quando Amarildo desapareceu, e o pedreiro é uma das linhas de investigação da 15ª DP (Gávea).

Os PMs, no entanto, alegam que o acharam parecido com um bandido procurado. O delegado-titular da 15ª DP (Gávea), Orlando Zaccone, enviou a foto de Amarildo para os institutos Médico-Legais do estado e vai ouvir nesta quarta-feira os parentes.

"A busca por um corpo não pode ser feita como diligência simples. Temos que trabalhar informações para irmos aos locais”, alegou Zaccone.

Manifestantes perguntam onde está pedreiro desaparecido na RocinhaReprodução Internet

Filhos do pedreiro não têm o que comer

‘Hoje (terça-feira) meus filhos comeram só banana com farinha. Estamos passando dificuldade”. O desabafo é da dona de casa Elizabeth Gomes da Silva, 47, mulher do pedreiro Amarildo. Ele está desaparecido há 13 dias. O casal tem seis filhos. “Ele tinha dinheiro todos os dias para o pão. Não trabalho porque cuido das crianças”, contou Elizabeth, que está vivendo de doações.

A família de Amarildo acredita que ele tenha sido morto e suspeita que o corpo esteja enterrado na Caixa D’Água, na localidade Dioneia, no alto da Rocinha. “Disseram que viram uma pessoa com as características dele lá. Não dão mais detalhes porque têm medo. A polícia não fez nenhuma busca lá”, reclamou sobrinha de Amarildo que não quis se identificar.

Segunda-feira, fizeram uma Missa de Sétimo Dia para o pedreiro. “Só podem ter matado meu marido. Ele não era de sair, era trabalhador e não deu nenhuma notícia até agora. Vejo a roupa dele ainda suja de cimento e fico arrasada”, lamentou Elizabeth.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia