Familiares de pedreiro desaparecido serão inseridos em programa de proteção

Defensor público do estado disse que trabalha com a hipótese de desaparecimento, já que não há indícios de corpo

Por bianca.lobianco

Rio - O governo vai inserir os familiares do pedreiro Amarildo, desaparecido na Rocinha, em um programa de proteção à testemunha, segundo ficou acordado em reunião entre familiares e o governador Sérgio Cabral no Palácio Guanabara, na Zona Sul, nesta terça-feira. O encontro também teve a participação do secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira. 

"A família será inserida no programa de proteção e existe a possibilidade de os familiares serem retirados da comunidade nos próximos dias", informou Zaqueu Teixeira. 

Cabral se reúne com familiares de pedreiro desaparecidoAlessandro Costa / Agência O Dia

Mais cedo, o governador disse em seu Twitter que vai mobilizar todo o governo para descobrir onde está Amarildo e identificar os responsáveis pelo seu desaparecimento. "Nada justifica o desaparecimento de uma pessoa que foi checada pelo próprio comandante da UPP como trabalhador", afirmou.

O defensor público geral do estado, Nilson Bruno, informou que as providências estão sendo satisfatórias em relação à proteção da família. "Trabalhamos com a hipótese de desaparecimento, já que não há indícios de corpo", disse. 

A mulher de Amarildo, Elizabeth Gomes da Silva, disse que não acredita mais que o marido esteja vivo. "Já são 13 dias. Já procuramos em todos os lugares, em São Gonçalo e em Niterói (na Região Metropolitana do Rio). Não recebi nenhuma ameaça, mas estou com medo até de sair para comprar pão", contou. 

Amarildo Dias, de 47 anos está desaparecido desde o dia 14, quando policias da UPP da Rocinha o levaram para averiguação na delegacia da comunidade. No último domingo, cerca de 40 pessoas entre parentes e amigos do pedreiro fizeram um protesto na entrada do Parque Ecológico da Rocinha, na Zona Sul, por conta do descaso da PM para encontrá-lo. 

Polícia apura desavença entre PM e pedreiro

Uma rixa entre um PM da UPP, que participou da operação quando Amarildo desapareceu, e o pedreiro é uma das linhas de investigação da 15ª DP (Gávea).

Os PMs, no entanto, alegam que o acharam parecido com um bandido procurado. O delegado-titular da 15ª DP (Gávea), Orlando Zaccone, enviou a foto de Amarildo para os institutos Médico-Legais do estado e vai ouvir nesta quarta-feira os parentes.

"A busca por um corpo não pode ser feita como diligência simples. Temos que trabalhar informações para irmos aos locais”, alegou Zaccone.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia