Por bianca.lobianco

Rio - O governador Sérgio Cabral falou, na manhã desta quinta-feira, do despreparo da Polícia Militar durante os protestos que vêm ocorrendo no Rio desde junho. "A PM e a Polícia Civil estão aprendendo com essas situações. Pode haver falhas que, ocorrendo, devem ser apuradas pela Corregedoria. Ninguém tem interesse de punir inocentes ou passar a mão na cabeça de ninguém", disse Cabral.

A afirmação foi feita a respeito da prisão do manifestante Bruno Ferreira, de 25 anos, que foi detido acusado de estar portando explosivos dentro da mochila. Contudo, vídeos comprovaram que o jovem era inocente e advogados ativistas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) conseguiram um habeas corpus para ele. O estudante chegou a ser preso e levado para o sistema penitenciário. Bruno foi detido na Rua Pinheiro Machado, na última segunda-feira, durante a manifestação que marcou a chegada do Papa à cidade.

Perguntado sobre a presença de PMs à paisana infiltrados nos protestos e sobre a existência de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) infiltrados, o governador disse que o assunto não é de sua competência e que a política de segurança no Rio cabe ao secretário José Mariano Beltrame, à Polícia Civil e à Polícia Militar.

Você pode gostar