Estado tem 40 dias para tirar 33 carcaças de navios de Niterói

'A Baía de Guanabara é prioridade e esse é um ponto na recuperação dela', disse o secretário estadual do ambiente, Carlos Minc

Por bianca.lobianco

Rio - O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) tem 40 dias para concluir o trabalho de retirada das carcaças de navios e barcos abandonadas no Canal de São Lourenço, em Niterói. Coordenado pelo Inea, o trabalho respeita o prazo estipulado pelo leilão que vendeu as carcaças e tem sido executado por estaleiros da região, para desobstruir o espaço, melhorando as condições da indústria naval e da pesca na costa do município.

Em oito meses, 20 carcaças foram retiradas e 33 terão que sair para a dragagem do canal, que também será usado por pescadores depois da inauguração do Centro Integrado de Pesca Artesanal (Cipar), em outubro. O Cipar abriga a Superintendência Regional do Ministério da Pesca no Rio e a Subsecretaria de Pesca de Niterói, mas depende da limpeza do canal e da retirada das carcaças para atender aos pescadores da região.

O trabalho começou em novembro do ano passado, quando o ministro da Pesca, Marcelo Crivella, e o secretário estadual do ambiente, Carlos Minc, visitaram o Cipar. De volta ao local, Minc afirmou que ação está inserida no compromisso de reduzir em 80% a poluição da Baía de Guanabara até 2016: "A Baía de Guanabara é prioridade e esse é um ponto na recuperação dela. Esse lodo está contaminado, esses navios contêm óleo e alguns guardam até coisas do tráfico".

As carcaças foram leiloadas depois que a Capitania dos Portos convocou os proprietários a se apresentarem, e eles não apareceram. Os materiais retirados serão reaproveitados e as carcaças de ferro, enviadas a siderúrgicas e sucatarias. Outro leilão vai oferecer 11 carcaças à iniciativa privada após o fim do trabalho no Canal de São Lourenço.

Cinco barcos para a coleta de lixo flutuante

O projeto de dragagem deve ser licitado pelo Ministério da Pesca assim que o termo de referência para o processo ficar pronto. O secretário pediu que autoridades do governo federal, do Inea e da prefeitura de Niterói se reúnam na semana que vem para começar a preparação do termo, para que esteja disponível quando for concluída a retirada dos barcos.

O Ministério da Pesca fará o maior investimento na dragagem, cerca de R$ 12 milhões. O governo do estado vai arcar com R$ 3 milhões. A estimativa da Secretaria Estadual do Ambiente é que 100 mil metros cúbicos de sedimentos sejam retirados do local, quantidade 50 vezes menor do que a retirada durante três anos de dragagem do Canal do Cunha, no Rio.

O secretário anunciou ainda que a Baía de Guanabara deve receber, em breve, cinco barcos para a coleta de lixo flutuante. Uma unidade de tratamento de rios no Rio Irajá também vai ser inaugurada para minimizar o impacto da falta de saneamento sobre a baía, problema que Minc considerou o maior desafio no compromisso de despoluição.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia