Periferia terá apoio oficial para grupos culturais

Programa Cultura Viva, criado pelo ex-ministro Gilberto Gil, financiará programas em mais de 50 pontos do Rio, sobretudo nas zonas Norte e Oeste

Por thiago.antunes

Rio - O prefeito Eduardo Paes e a ministra da Cultura, Marta Suplicy, lançaram nesta quinta-feira o programa Cultura Viva, que pretende descentralizar o acesso a meios culturais na cidade, levando investimento de R$ 18 milhões principalmente às zonas Norte e Oeste.

Serão reconhecidos como Pontos de Cultura 50 grupos que tenham uma produção consistente há pelo menos 3 anos e nunca tiveram acesso a investimentos públicos. Serão criados também seis ‘Pontões’ de Cultura, que centralizarão os projetos por tema ou região, e 16 Pontos de Leitura, para grupos que atuam especificamente com literatura.

Ministra da Cultura%2C Marta Suplicy esteve no Rio para lançar o programa junto com o prefeito Eduardo PaesMarcelo Camargo / ABR

“Este projeto foi criado pelo ex-ministro Gilberto Gil no governo Lula e com resultados comprovados. Não é apenas um sonho. É nosso dever reconhecer e valorizar estes locais, estas pessoas, como as contadoras de histórias do Morro da Pedreira”, exemplificou o secretário municipal de Cultura, Sérgio Sá Leitão.

Paes reconheceu a demora em adotar o projeto, mas mostrou-se satisfeito por, enfim, ter tirado este peso das costas. “Apesar de termos colocado muitos recursos na Cultura, eles não chegavam às áreas que mais teriam de recebê-los. Agora estamos corrigindo isso”, disse Paes.

O escritor Binho Cultura, que esteve presente ao evento, comemorou: “Precisamos mostrar que existe um outro lado na cidade além da Vieira Souto e da Avenida Sernambetiba”, disse Binho.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia