Especialista: Furto de vigas foi feito por profissionais e durante o dia

'É uma operação complexa que requer pessoas capacitadas. Duvido que alguém faria isso à noite', questionou

Por cadu.bruno

Rio - O professor do departamento de Engenharia Civil da PUC-Rio, Vicente Garambone, ressaltou nesta sexta-feira que os preparativos pro furto de seis vigas de aço levadas de um terreno no Caju teria acontecido a luz do dia. "É uma operação complexa que requer pessoas capacitadas. Duvido que alguém faria isso à noite", questionou.

o especialista ainda enfatizou que, pelos custos da operação, os ladrões pretendiam levar mais peças. "O investimento foi alto, gastaram com aluguel de um caminhão guindaste e com a contratação de pelo menos quatro pessoas para o furto. Não foi qualquer um e as vigas não foram vendidas em depósito de sucata de fundo de quintal. Com certeza foi planejado e com comprador certo. Que siderúrgica iria comprar uma material desses, que só é usado em viadutos?", salientou, completando que o gasto para cometer o crime não deve ter sido compensado com o furto das vigas.

Não houve falha de segurança em roubo de vigas

Em um evento promovido pela Secretaria Municipal de Transportes, o presidente do consórcio Porto Novo, José Renato Ponte, contestou a declaração dada pelo prefeito Eduardo Paes, de que o consórcio seria responsável pelo dano ao patrimônio no caso do furto das vigas. “Não se trata de falha na segurança, mas sim, de termos subestimado a capacidade de as pessoas furtarem as vigas. A Porto Novo não tem responsabilidade pelo crime”, alegou.

As vigas sustentavam o elevado%2C estavam em um depósito estadual e dariam para erguer duas torres EiffelEstefan Radovicz / Agência O Dia

Ponte ainda contestou o valor de R$ 14 milhões atribuído às peças. “Certamente, quando falaram neste valor, estava relacionando às 900 vigas totais da Perimetral. Não é isso tudo, não. Provavelmente, o material foi vendido como sucata”, alegou.

Porém, o professor do Departamento de Engenharia Civil do Centro Técnico Científico da PUC (CTC/PUC), Vicente Garambone, confirma o alto custo da estrutura. “É cara sim. Um furto desses exige investimento, e é improvável que as vigas fossem vendidas como sucata, que daria apenas R$ 20 mil. Só de caminhão guindaste, o gasto estimado é de R$ 5 mil, fora mão de obra, como maçariqueiro qualificado”, explicou.

A Delegacia de Roubos e Furtos começou, ontem, a investigar o furto das seis vigas de aço, com mais de 100 toneladas no total, retiradas da Perimetral. Como de praxe, a Polícia Civil vai ouvir testemunhas e analisar as imagens gravadas pelas câmeras do Centro de Operações do Rio, localizadas próximas ao terreno, no Caju, Zona Portuária, de onde o material foi levado.

O registro foi feito tanto pela prefeitura quanto pelo consórcio Porto Novo, que estava com a guarda das vigas antes de elas desaparecerem.

Prefeitura volta a culpar empresa

Diante da declaração do presidente do consórcio Porto Novo, José Renato Ponte, que isenta a empresa do setor privado de culpa sobre o desaparecimento das vigas, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto de Rio de Janeiro (Cdurp) emitiu uma nota, onde reafirmou que o consórcio tinha a responsabilidade pela transferência e guarda do material.

O órgão público também completou que o terreno, no Caju, de onde o material foi levado, pertencia, na verdade, ao governo do estado, que cedeu o espaço para as operações do Porto Maravilha.

No material, a Cdurp ainda voltou a ressaltar que vai cobrar providências para recuperação do material ou eventual ressarcimento do patrimônio da Porto Novo, e que já está providenciando as gravações de câmeras de trânsito para ajudar a polícia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia