TJ determina que carros usados para segurança de promotores sejam recolhidos

Documentação de veículos teria sido obtida de forma fraudulenta. Blindagem será checada em perícia

Por thiago.antunes

Rio - Oito acusados de envolvimento em esquema de fraude para locação de carros blindados para o Ministério Público (MP) foram denunciados à Justiça. No grupo há seis prestadores de serviço do Detran, que atestavam a blindagem dos veículos, sem os documentos exigidos pelo órgão e pelo Ministério do Exército. Os suspeitos vão responder pelos crimes de formação de quadrilha e de inserção de dados falsos em sistema de informações, além de uso de documentos falsos.

Para ganhar a licitação no MP em 24 de novembro de 2011, os denunciados facilitavam a fraude para a empresa MFPS Locadora de Veículos Ltda, do empresário Marcelo Flávio de Paulo Silva, fornecer 16 supostos blindados. Os licenciamentos ocorreram entre janeiro e junho de 2012. Os veículos eram usados por promotores ameaçados de morte.

No contrato, os sócios eram Jorge Araújo da Silva, Patrícia Rita da Silva e Victor Hugo de Souza Klen. Eles eram usados por Marcelo, como ‘laranjas’, e foram considerados inocentes durante as investigações feitas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) em parceria com a Corregedoria do Detran.

Informações falsas

De acordo com a denúncia do MP à Vara Criminal de Itaboraí, os prestadores de serviço do Detran emitiram documentos de licenciamento dos veículos, com a inserção de informações falsas, nos postos dos municípios de São Gonçalo e Itaboraí. Marcelo, dono da empresa, é responsabilizado por uso de documentos falsos para ocultar que era o verdadeiro proprietário da MFSP.

O grupo que atuava No Detran tinha divisão de tarefas para a certificação irregular da frota. Enquanto uns inseriam dados da suposta blindagem no sistema, outros se ocupavam da emissão dos documentos que permitiam o aluguel dos veículos a autoridades, e a circulação de acordo com a legislação.

A MFPS possui contratos de locação também com o Instituto Estadual do Ambiente, com a Secretaria de Administração Penitenciária e com o Município do Rio de Janeiro. “Porém não há qualquer informação relativa à instauração de procedimento para investigação de eventuais irregularidades nos contratos realizados com os referidos órgãos”, ressaltou a juíza Daniela da Silva Fonseca, em despacho sobre o caso.

A magistrada aceitou a denúncia do MP contra Suellen de Souza Blanco dos Santos, Luiz Armando Franco Alves, o Lula, Irla Braga Fernandes, Danúbia Cristina da Rocha Monteiro, Flávia da Silva Nunes, Cristiane Caldas Mattos, Alessandro Aguiar da Silva e Marcelo Flávio. Os carros, que serviam ao órgão, serão apreendidos e encaminhados para perícia no Instituto de Criminalística Carlos Éboli.

Colaborou Juliana Dal Piva

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia