Mais Lidas

Moradores de favela apedrejam carros na Linha Vermelha após ação da PM

Segundo a corporação, revolta ocorreu após dois homens que estavam em moto terem sido baleados por policiais de UPP

Por thiago.antunes

Rio - Um protesto de moradores da Favela Parque Alegria, no Caju, Zona Norte do Rio, levou pânico a quem passava pela Linha Vermelha, sentido Centro, no fim da tarde desta quarta-feira. Segundo a Polícia Militar, a revolta aconteceu após a abordagem de agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Caju a dois homens que estavam em uma motocicleta. Durante a ação, eles acabaram baleados nas pernas e foram encaminhados para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. Ainda não há informações sobre o estado de saúde deles.

Segundo a assessoria da corporação, os moradores atiraram pedras em carros na via expressa. Um táxi chegou a ser incendiado. Um homem foi detido e levado para a 17ªDP (São Cristóvão) por policiais do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE). De acordo com o tenente-coronel Fausto Neto, comandante do BPVE, até o início da noite desta quarta-feira não há informação de pessoas assaltadas.

Carro foi apedrejado na Linha VermelhaLeitora %40rafaelasaito

No entato, pelo Twitter, muitas pessoas denunciaram crimes. O leitor @WalquerFilho informou que carros foram quebrados e pertences de motoristas, roubados. @Paulinho7x afirmou que houve bloqueio na Linha Vermelha em ambos os sentidos, o que fez muitos motoristas voltarem de ré do local. Em nota, a PM pediu que motoristas que tenham sofrido avarias em seus veículos procurem a delegacia mais próxima.

No começo da noite, outro protesto começou na Avenida Brasil, mas acabou 10 minutos depois. O tráfego ficou lento nas vias durante as ocorrências.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia