Mais Lidas

Treino de tiros para PMs voltará ao cronograma da corporação em 2014

A partir de janeiro, 800 homens serão submetidos à avaliação do Centro Integrado Especializado em Armamento e Tiro

Por thiago.antunes

Rio - O treino de tiros para policiais militares de unidades operacionais, esquecido há mais de um ano, voltará ao cronograma da corporação em 2014. A partir de janeiro, 800 homens serão submetidos à avaliação do Centro Integrado Especializado em Armamento e Tiro (Cieat), que testará pontaria e agilidade. Os reprovados passarão por reciclagem de até duas semanas no Cieat, em Sulacap. Na segunda-feira, O DIA mostrou que PMs estão tirando dinheiro do próprio bolso para treinar tiros em espaço particular em Mesquita, na Baixada.

O projeto foi idealizado pela Diretoria Geral de Ensino e Instrução (DGEI), com objetivo de reduzir os tiros em operações policiais. Seguindo essa lógica, os primeiros avaliados pertencem ao efetivo do 7º (São Gonçalo) e do 41º BPM (Irajá), batalhões com maior índice de tiros no primeiro trimestre deste ano (período analisado) em áreas com indicadores significativos de violência letal, segundo levantamento do Estado-Maior da PM.

“Nós identificamos essas unidades e estabelecemos prioridades para iniciar esse programa. Vamos aferir se o efetivo está capacitado para fazer uso de arma de fogo”, explicou o coronel Antonio Carlos Carballo Blanco, comandante do DGEI.

A ideia é estender a proposta a todos os batalhões do Rio, por tempo indeterminado, e identificar causas que podem levar PMs a atirar em demasia. Segundo Carballo, a análise irá levar em consideração a técnica de manuseio e o disparo, bem como o estado de saúde físico e mental dos PMs.

Na primeira etapa, os policiais farão uma sequência de disparos com a pistola. Apenas os aprovados passarão para a segunda etapa, com o uso de fuzis. A previsão é que todos os policiais dos batalhões de São Gonçalo e Irajá sejam submetidos à avaliação de performance até fevereiro de 2014. “Vamos avaliar a rapidez e a precisão para que o policial possa ser considerado apto para fazer uso das armas”, contou o coronel.

De acordo com Carballo, o programa de treinamento de tiro ficou inativo porque precisou passar por uma reformulação. Neste ano, a Polícia Militar priorizou a preparação dos policiais que passaram a integrar Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). “Agora, vamos dar mais atenção aos policiais das unidades operacionais”, disse Carballo.

‘Atirar é como andar de bicicleta’

Para Carballo, policiais militares que pagam do próprio bolso para treinar a mira, como ocorre no estande de Mesquita, são motivados pelo prazer em atirar. “Não acredito que é uma questão de necessidade ou porque os policiais se sentem inseguros. É como um hobby. Fazer uso de arma de fogo é como andar de bicicleta, do ponto de vista técnico. Quem aprende, não esquece”, argumenta.

Os policiais do 41º BPM serão submetidos à análise de performance de tiros de pistola no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), em Sulacap. Os PMs do batalhão de São Gonçalo irão atirar no Clube de Caça e Tiro Nacional, no bairro Santa Isabel, que mantém uma parceria com a corporação. Na segunda etapa, com tiros de fuzil, os testes serão feitos no Cfap, onde há estandes específicos para treinos com arma de grosso calibre.

No ano passado, quando a PM ainda oferecia treino de tiros aos policiais das unidades operacionais na volta das férias, cada praça tinha direito a apenas dez tiros. “Era genérico, sem uma preocupação com o contexto onde o policial estava trabalhando”, lembra o coronel.
Neste ano, apenas 10 mil policiais que integram as unidades especializadas tiveram treinos de tiro nos esdandes da corporação.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia