Por tamyres.matos

Rio - O PT, que tanto se orgulha de ter diminuído o desemprego no país, promoverá uma demissão em massa de correligionários ao romper com Sérgio Cabral. Uma primeira varredura do governo estadual encontrou 1.253 petistas em cargos da administração. A direção do partido estimava em 400 o número de favorecidos pela aliança com o PMDB.

A carnificina vai ser ainda maior. O levantamento ainda não foi concluído e há muita gente encostada em organizações sociais, ONGs e prestadores de serviços.

Boquinha petista

Só a primeira lista de demitidos engordará o Diário Oficial — os atos ocuparão em torno de 26 páginas. Vai ser possível conferir o tamanho da boquinha (um bocão!) petista.

Sem confiança

Por falar nisso: é assustador que um só partido tenha tanta gente pendurada no governo. A quantidade desmoraliza a ideia de cargo de confiança e revela um pouco do que são os tais acordos políticos.

Você pode gostar