Por nara.boechat

Rio - Os primeiros subúrbios do Rio foram bairros como Botafogo, Jardim Botânico, Laranjeiras e Gávea. A constatação está no livro ‘150 anos de subúrbio carioca’, organizado pelos geógrafos Márcio Piñon de Oliveira e Nelson da Nóbrega Fernandes. Segundo Piñon, a associação de subúrbio a áreas pobres ocorreu a partir da expansão da cidade e está ligada à falta de investimentos.

Quando surgiram os subúrbios?

Os subúrbios ferroviários começaram em 1858, com a estrada de ferro Central do Brasil.

O subúrbio é associado à pobreza. Sempre foi assim?

Não. A definição clássica do termo se refere à área que está entre o campo e a cidade. Até a reforma de Pereira Passos, subúrbios estavam no entorno do centro, onde havia chácaras e sítios. Eram bairros como Botafogo, Gávea, Laranjeiras, Jardim Botânico e Engenho Velho. Com a reforma, a população mais pobre se abrigou nos morros. A classe média se mudou para áreas distantes, com terrenos baratos, como Méier, Ramos, Bangu e Marechal Hermes.

Houve uma decadência dos subúrbios?

Sim. A partir de 1937, com a eletrificação das ferrovias e a unificação da tarifa de trem, a população passou a viajar longas distâncias por um valor único. Isso permitiu que muitos se mudassem para locais mais distantes, mas surgiu um processo de decadência porque as políticas públicas não acompanharam essa expansão.

Você pode gostar