Por thiago.antunes

Rio - De azul e branco, a Unidos de Vila Isabel agora mergulha no vermelho. Afundada em dívidas que ultrapassam a ordem de R$ 1 milhão, a escola amarga a pior crise de sua história. A conta bancária da agremiação está bloqueada judicialmente desde maio por conta dos débitos. Na quadra, o abastecimento de água foi cortado recentemente por calote de mais de R$ 200 mil à Cedae.

De agosto de 2011 até dezembro do ano passado, a escola mantém 42 pendências comerciais e nove títulos protestados no Serasa. Juntos, estes débitos chegam a R$ 571 mil. Somente a uma empresa de limpeza, contratada para prestar serviço nos carnavais de 2012 e 2013, a Vila deve R$ 544 mil.

Depois que a escola amargou a 10ª colocação este ano, sede amanheceu pichada por torcedores revoltadosRafael Arantes / Agência O Dia

De acordo com o Movimento de Amor à Vila Isabel (Mavi), criado por moradores do bairro há um ano, a dívida pode ser ainda maior. Segundo a associação, funcionários e fornecedores que trabalharam nos três últimos desfiles não receberam pagamentos. Na página virtual do movimento, uma carta aberta mostrava a indignação dos torcedores da escola. “Consumimos tudo o que ganhamos? Como? Em quê? Tantas perguntas. Poucas respostas. Tem que respeitar a comunidade”, apontava um trecho do desabafo.

Ao saber das dívidas pelo DIA, a vice-presidente da agremiação, Elizabeth Aquino, ficou perplexa. “Não sei nem o que dizer. Não tinha noção que a escola estava neste buraco”, desabafou Dona Beta, candidata na chapa de oposição à presidência da escola. Ela informou que vai pedir uma auditoria assim que a eleição for marcada. “A escola ainda não se posicionou. Ainda não sabemos nem a data da eleição.” A atual administração da escola, presidida por Wilson Alves, o Wilsinho, não foi encontrada para comentar os débitos.

Patrono da escola permanece foragido

Para concorrer com Dona Beta, a chapa escolhida pela atual presidência da Vila será encabeçada por Rita de Cássia, mãe do presidente Wilsinho e responsável pelo ateliê de fantasias, tendo o próprio Wilsinho como vice-presidente.

No início do mês, quem viria como líder era o patrono da escola, Wilson Móises, foragido da Justiça desde a semana passada. Sua candidatura caiu dois dias após o lançamento, devido a um novo mandado de prisão pelos crimes de contrabando, formação de quadrilha e corrupação ativa. Móises foi condenado a 23 anos em 2011, cumpriu apenas um ano da pena e estava solto desde maio de 2012.

Você pode gostar