Por thiago.antunes

Rio - Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Carga (DRFC) prenderam, na tarde desta quarta-feira, Rodrigo Rodrigues da Silva, 29 anos. Ele é apontado como o criminoso que conseguiu fugir, após agentes da Divisão Antissequestro (DAS) resgatarem uma adolescente italiana de 15 anos, vítima de sequestro no último sábado, em Arrailda do Cabo, na Região dos Lagos. 

De acordo com o delegado titular da DRFC, Rodrigo Santoro, ele foi preso próximo à Rua dos Biquínis, em Cabo Frio. O bandido está sendo levado para a sede da DAS.

Relembre o caso

A jovem foi libertada por policiais da DAS, em Cabo Frio, na Região dos Lagos, na madrugada desta quarta-feira, após ficar quatro dias no cativeiro em poder dos sequestradores. Dois integrantes da quadrilha, foragidos do sistema penitenciário e que atuavam a pelo menos 20 anos neste tipo de crime, foram mortos em troca de tiros com os agentes. Um suspeito foi detido e um acusado conseguiu fugir. Não houve pagamento de resgate.

O empresário Ettore Castelluzzo, pai da menor, não escondeu o alívio ao reencontrar a filha, na manhã desta quarta-feira, na sede da Delegacia Antissequestro (DAS). Falando rápido com a imprensa, ele agradeceu o empenho dos policiais e resumiu seu sentimento nos últimos dias. "Queria agradecer muito a DAS. O sentimento que vivi nesses dias foi de horror", disse o empresário, agarrado à filha.

Pai e filha se abraçam durante reencontro na Delegacia Anti-SequestroOsvaldo Praddo / Agência O Dia

De acordo com o delegado Cláudio Góis, diretor da DAS, o empresário, que mora há seis anos no Brasil, foi rendido com a filha na garagem da casa onde moram, em Arraial do Cabo, cidade vizinha a Cabo Frio, por volta das 22h de sábado. Os dois foram levados encapuzados para o cativeiro. No local, segundo Góis, Edson de Sousa, de 60 anos, conhecido como Coronel, apontado como o líder dos sequestradores, estipulou ao italiano o valor de R$ 750 mil pela liberdade da menor. Ela foi mantida no local e o pai liberado em local desconhecido. O prazo para o pagamento seria na terça-feira, quando os bandidos fariam contato por telefone. Segundo Góis, esse tempo foi fundamental para que os policiais conseguissem identificar os marginais e chegar ao cativeiro.

A DAS foi comunicada do caso ao meio-dia de domingo quando o empresário procurou a especializada. Durante os três dias os agentes buscaram pistas e indícios que levassem ao local do cativeiro. O primeiro contanto dos sequestrados foi feito na noite de terça-feira, conforme acordado com o empresário. Os policiais conseguiram indícios de que estavam perto do cativeiro.

Segundo Góis, os policiais localizaram o cativeiro no condomínio de classe média Bosque do Peró, bairro na orla de Cabo Frio. Após verificar que a adolescente estava presa em um tipo de subsolo no quitinete usado pelos suspeitos e que não corria risco, os agentes invadiram o imóvel. Houve reação e troca de tiros. Além de Coronel, Osmar Elias Barbosa, o Escadinha, de 30 anos, foi baleado e morto no confronto.

Você pode gostar