Moradores do Méier e da Barra da Tijuca pedem mais segurança

Passeata contra violência mobiliza os bairros

Por daniela.lima

Rio - A manhã de ontem foi marcada por protestos contra a violência no Méier e na Barra da Tijuca. No bairro da Zona Norte, cerca de 300 pessoas percorreram os dois sentidos da Rua Dias da Cruz, em passeata organizada pela Associação de Moradores. Um grupo rezou um ‘Pai Nosso’ de mãos dadas, em homenagem ao administrador Sandro Oliveira, de 26 anos, assassinado durante assalto no último dia 9. Na Zona Oeste, moradores do Jardim Oceânico também foram às ruas, pedindo mais segurança para a região.

No Méier, os manifestantes usaram camisas brancas, com faixas pretas no braço em sinal de luto, e carregaram cartazes com pedidos por segurança. Segundo Jorge Barata, presidente da Associação de Moradores, o bairro sofre com a constante redução do efetivo policial nas ruas. “O patrulhamento de Guardas Municipais, que já contou com 120 homens, hoje padece com 20. Já o número de policiais militares, que há dez anos era de 1.200 homens, hoje não passa de 350”, garantiu.

A família de Sandro participou do protesto, mas não quis falar com a imprensa. Guardas Municipais e agentes da CET-Rio acompanharam a passeata, que interrompeu o trânsito da Dias da Cruz, parcialmente, por cerca de duas horas.

Na Barra, cerca de cem manifestantes fecharam a Rua Olegário Maciel, a partir do Pepê, protestando contra os assaltos frequentes no local. Das 10h às 13h, o trânsito da região sofreu com as retenções.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia