Audiência discute aumento da violência na Baixada Fluminense

Nenhum prefeito da região compareceu, gerando críticas dos deputados estaduais

Por thiago.antunes

Rio - O aumento da violência na Baixada Fluminense foi tema de audiência da Comissão de Segurança Pública da Alerj, nesta segunda-feira na Câmara Municipal de Nova Iguaçu. Durante o evento, que reuniu cerca de 100 pessoas, 15, dos 29 vereadores iguaçuanos que compareceram na audiência, fizeram reivindicações ao subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Secretaria de Segurança Pública, Roberto Sá, como: o aumento do efetivo nos seis batalhões da Baixada, instalação de Centrais de Monitoramento e Companhias Destacadas da PM, além de veículos e armamentos novos para policiais. Nenhum prefeito das 13 cidades da região compareceu, gerando críticas por parte de deputados estaduais.

“A certeza que tenho é que até a Copa não haverá reforço na segurança da Baixada, mas poderiam fazer uma grande operação policial nas comunidades de todas cidades para garantir um pouco de paz aos moradores”, pediu o presidente da Comissão de Segurança Pública e Assuntos de Polícia da Alerj, Iranildo Campos.

Audiência discutiu aumento da violência na BaixadaDivulgação

Autores do pedido para a realização da audiência, os deputados Xandrinho (PV) e Rosângela Gomes (PRB), só pouparam críticas ao comando do batalhão de Mesquita, responsável pelo policiamento em Nova Iguaçu. “Não aceito um batalhão que cuida de três cidades — Nova Iguaçu, Mesquita e Nilópolis— ter apenas pouco mais de 600 policiais. A região vai piorar durante a Copa, pois bandidos continuam migrando de favelas pacificadas”, lembrou Xandrinho.

Ainda segundo ele, que quando era vereador em Nova Iguaçu, em 2003 foi autor da lei que visa a criação da Guarda Municipal em Nova Iguaçu, apresentou um projeto para a construção de uma Companhia Destacada da PM, onde já há um prédio abandonado da antiga sede da Secretaria Municipal de Saúde, no bairro K-11. “Até hoje o projeto da Guarda Municipal não saiu do papel, mas espero que este da Companhia seja uma realidade, pois daria mais segurança aos moradores de Nova Iguaçu”, sugeriu.

A deputada estadual Rosângela Gomes ainda pediu um novo Instituto Médico Legal (IML) para Nova Iguaçu. “O que existe na Posse está um caos. É um abandono total”, denunciou. O subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Secretaria de Segurança Pública, Roberto Sá, afirmou que a legislação penal precisa ser discutida. “Não pode um bandido matar um inocente, ficar pouco tempo na cadeia e logo ser solto. Temos que pensar nisso”, contou.

O comandante do 20º BPM (Mesquita), Almyr Mendonça, garantiu que o efetivo da unidade está ‘dando conta’ em termos de produtividade.

“No efetivo, 99% dos policiais são moradores da Baixada. Só em maio prendemos 177 suspeitos e nos últimos dois dias, apreendemos sete armas. Mas claro que gostaria de contar com mais PMs”, reconheceu ele, acrescentando que o policiamento será reforçado em Austin, onde num confronto, um policial e três suspeitos foram mortos. Um outro PM também foi baleado.

No fim da audiência, o vereador de Nova Iguaçu, Carlinhos Presidente, entregou uma carta de reivindicações aos idealizadores do encontro e foi pedido um minuto de silêncio pela morte do policial Robson Vaz de Loiola, que foi baleado no confronto em Austin.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia