Sai vencedor do parque olímpico de Deodoro

Consórcio vai assumir obras que devem ser entregues em 2016, ao custo de R$ 643 milhões

Por thiago.antunes

Rio - Foi anunciada nesta terça-feira a empresa que vai construir o parque olímpico de Deodoro. O consórcio formado pelas construtoras Queiroz Galvão S/A e OAS S/A foi o vencedor da licitação no valor de R$ 643,707 milhões, que abrange a chamada parte norte do complexo esportivo. O local foi dividido em duas grandes áreas delimitadas pela linha férrea. A concorrência foi realizada pela prefeitura, por meio da Empresa Olímpica Municipal (EOM) e da RioUrbe. Os recursos para a realização dos projetos do Complexo Esportivo serão aportados pelo Ministério do Esporte.

Na semana que vem, deve ser publicado o resultado da concorrência pública referente ao outro trecho, o sul, que está orçado em R$ 157 milhões. Estão interessadas a Porto Belo Engenharia e Comércio Ltda, a IBEG Engenharia e Construções Ltda e a Sanerio Construções Ltda.

Complexo receberá 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas. Obras começam nos próximos mesesReprodução

As obras das instalações estão programadas para começar nos próximos meses. A conclusão está prevista para o primeiro semestre de 2016, ano em que ocorrem os jogos. O atraso no complexo chegou a ser motivo de questionamentos do Comitê Olímpico Internacional (COI) e do Tribunal de Contas da União (TCU), mas a prefeitura garante que o processo está dentro do prazo.

O complexo de Deodoro vai ser palco de 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas. O contrato com o consórcio Queiroz Galvão S/A e OAS S/A prevê — único interessado na licitação —, além de construções e reformas, 10 meses de operação e, após os jogos, seis meses para desmontagem das estruturas temporárias e adequações das instalações existentes.

A região norte terá um circuito de canoagem slalom, pista de mountain bike e de BMX, o Centro Nacional de Tiro Esportivo, arenas de rúgbi, de Pentatlo e de esgrima do pentatlo, um centro de hóquei sobre grama e uma piscina. Na outra parte, a chamada sul, serão construídos uma clínica veterinária, a vila dos tratadores de cavalos e o Centro Nacional de Hipismo, onde acontecem as competições de cross country, saltos e adestramento.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia