Por bianca.lobianco

Rio - Amigos de Sérgio Cabral estão divididos sobre seu futuro político. Presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani defende que ele se candidate a deputado federal: embalado por uma expressiva votação, teria condições de conquistar a presidência da Câmara. Seus votos ainda ajudariam a eleger outros candidatos do partido.

Eduardo Paes, o deputado Pedro Paulo e Paulo Melo, presidente da Assembleia Legislativa, acham que o ex-governador deveria se manter na disputa por uma vaga no Senado.

Contaminação
O marqueteiro Renato Pereira teme que a candidatura de Cabral ao Senado prejudique Pezão, que acabaria forçado a explicar erros cometidos pelo ex-governador.

2016
Wilson Carlos, ex-secretário estadual de governo, é um dos que acham que Cabral deveria “descansar a imagem” e ficar de fora da eleição. Por ele, o ex-governador só entraria numa disputa eleitoral em 2016, quando tentaria a Prefeitura do Rio.

Atraso no Bope
Prevista para ocorrer em 2010, quando foi anunciada, a transferência do Bope para a Maré ficou para 2016. A PM diz que o processo de licitação para a construção da nova sede está em andamento, mas não informou a razão para o atraso na mudança.

Você pode gostar