'Tubarão' apontado por advogado consta em lista de credenciados da Fifa

Delegado pedirá delação premiada a José Massih por colaboração para desmantelar máfia dos ingressos

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - O nome do 'tubarão' da máfia dos ingressos, apontado pelo advogado paulista José Massih, braço direito do francês de origem argelina Mohamadou Lamine Fofana, preso desde a semana passada por participação no esquema, bate com um dos nomes que constam na lista de credenciados pela Fifa para a Copa do Mundo aqui no Brasil. A informação foi divulgada nesta segunda-feira pelo delegado Fábio Barucke, da 18ª DP (Praça da Bandeira), que investiga o caso. O nome pode ser divulgado ainda hoje e ele pode ser preso a qualquer momento.

LEIA MAIS:

Polícia caça ‘tubarão’ que atua na cúpula da Fifa

Promotor diz que identidade de ‘tubarão’ vai abalar a Fifa

A lista com os credenciados foi enviada pela entidade máxima do futebol, que colabora com as investigações. O delegado irá pedir a delação premiada ao advogado paulista assim que sua prisão temporária vencer, o que deve acontecer em cinco dias. Segundo ele, a colaboração de Massih foi essencial para a investigação. "Não posso adiantar nada, mas ele ajudou demais. Vou pedir para que ganhe o benefício da delação premiada. Ele indicou a pessoa que estávamos procurando. A Fifa enviou uma lista dos credenciados e o nome que ele deu bate com o que está na lista", revelou.

Acusado de chefiar o bando, o francês Mohamadou Fofana (ao centro) teria montado esquema que funcionava desde a Copa de 2002, na ÁsiaSeverino Silva / Agência O Dia

Máfia do ingresso fez 900 ligações para celular da Fifa

O celular do francês de origem argelina Mohamadou Lamine Fofana, apreendido pela Polícia Civil quando ele foi preso na terça-feira, tinha 900 registros de ligações feitas para aparelhos oficiais de uso da Fifa no Brasil nos últimos dois meses. Segundo o ‘Fantástico’, o telefone de Lamine possui vários contatos com o nome “Fifa”. Na quinta-feira, a polícia pediu à entidade organizadora da Copa uma lista com todos os números e nomes de usuários.

Apontado como o chefão da máfia dos ingressos, capaz de movimentar R$ 200 milhões por Mundial, Lamine Fofana tinha 25 ingressos VIP para a decisão. As entradas tinham custo de R$ 51 mil cada e poderiam render até R$ 1,3 milhão para a quadrilha só na decisão.

Em escuta obtida com exclusividade pelo DIA , o franco-argelino foi flagrado em uma conversa com o empresário Roberto de Assis Moreira, irmão e empresário do jogador Ronaldinho Gaúcho, interessado em ingressos para dois amigos. “Ele (amigo de Assis) me perguntou e eu disse: ‘Escuta, eu tenho um amigo que tem seu preço, sua maneira”, disse Assis.

Em escuta revelada pelo ‘Fantástico’, Lamine deixa clara sua importância no esquema: “Quem tem 50 (ingressos) da final na mão? Ninguém. Eu tenho”.

Antônio Henrique de Paula Jorge, comparsa de Lamine preso, fala, em outra escuta, com um cambista que diz ter acesso a três seleções da Copa. Segundo a polícia, um dos fornecedores estaria na concentração da seleção brasileira.

Um caderno com a contabilidade da quadrilha também foi apreendido e um dos integrantes da quadrilha tentou subornar os policiais.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia