Após dez dias desaparecida, viúva de pedreiro Amarildo é encontrada em Cabo Frio

Elisabete Gomes da Silva estava desaparecida desde o dia 30 de junho

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A viúva do pedreiro Amarildo de Souza, morto por policiais da UPP da Rocinha há quase um ano, foi encontrada ontem em Cabo Frio, na Região dos Lagos.  Elisabete Gomes da Silva estava desaparecida desde o dia 30 de junho. A família de Elisabete confirmou a localização.

Antes de ser localizada, filhos de Elisabete registraram o desaparecimento da doméstica na 11ª DP (Rocinha). “Não sabemos como ela foi parar em Cabo Frio, pois não há nenhum parente morando lá. Ela entrou em contato com uma filha, que nos informou do paradeiro”, contou Michele Lacerda, sobrinha de Amarildo.

Maria Eunice Lacerda, de 53, irmã do pedreiro, afirmou que Elisabete estava abusando do álcool e das drogas. Ela também confirmou que a doméstica falava que iria sozinha procurar pelo marido. “Estava muito depressiva. Infelizmente, teve uma recaída e voltou a usar drogas e a beber muito. Só ficava de bar em bar dizendo que iria procurar por ele”.

De acordo com Anderson Gomes de Souza, de 22, um dos seis filhos do casal, essa não foi a primeira vez que Elisabete deixou sua casa em busca do pedreiro. “Em diversas madrugadas, ela tomou essa atitude”.

Amarildo sumiu após ser retirado de casa e levado à sede da UPP. Ao todo, 25 policiais são acusados pelos crimes de tortura seguida de morte, ocultação de cadáver, fraude processual e formação de quadrilha. Entre eles, 12 estão presos e 13 respondem em liberdade.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia