STF concede liberdade para Tubarão da máfia dos ingressos

Whelan está preso no Complexo de Gericinó, no Rio, e teve pedidos de habeas corpus negados anteriormente pelo Tribunal de Justiça do Rio e Superior Tribunal de Justiça

Por paloma.savedra

Rio - Preso desde o dia 14 de julho, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio, acusado de integrar máfia da venda ilegal de ingressos da Copa do Mundo, o executivo da Match, o inglês Raymond Whelan, teve habeas corpus concedido nesta terça-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão é do ministro Marco Aurélio Mello. 

Polícia prende Ray Whelan%2C "tubarão" da Fifa que agia dentro da máfia do ingressoDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Em sua decisão, o ministro considera não haver fundamentos para o acusado permanecer preventivamente na prisão. Em um trecho, Marco Aurélio Mello ressalta que mantê-lo no cárcere também não contribuiria para a segurança jurídica: "A regra é apurar para, selada a culpa, prender, executando-se, então, o título judicial condenatório. A inversão não contribui para a segurança jurídica, o avanço cultural. Conforme levantamento implementado pelo Conselho Nacional de Justiça, a população carcerária temporária, provisória, alcançou patamar igual ao da definitiva".

O ministro destaca ainda que não houve fato que sustentasse o pedido da prisão preventiva à justiça: "No caso, o ato mediante o qual veio a ser determinada a prisão preventiva do paciente – a temporária fora afastada na via da impetração – encontra-se redigido com esmero vernacular, mas padece de eficácia maior". "Imputação, simples imputação, não respalda a preventiva", completou. 

O advogado do inglês, Fernando Fernandes, já havia impetrado pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Rio e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), e que foram negados. 

Leia mais: Francês acusado de chefiar máfia dos ingressos montou seleção pirata

Leia mais: Máfia deu bonés de presente para Neymar

Leia mais: CEO da Match era misterioso até para quadrilha

De acordo com informações do STF, em seu pedido de liberdade ao CEO da Match, a defesa alegou constrangimento ilegal, afirmando que não havia motivo para manter Whelan preso, tendo em vista que a Copa do Mundo já terminou. 

Whelan e outros 10 acusados de integrar a máfia dos ingressos da Fifa tiveram a prisão preventiva decretada, no dia 10 de julho, pelo Juizado Especial do Torcedor. 

Advogado indiciado por facilitar fuga

A Polícia Civil do Rio decidiu indiciar o advogado Fernando Fernandes por favorecimento pessoal ao seu cliente, o CEO da Match, Raymond Whelan, acusado de integrar a máfia da venda ilegal de ingressos da Fifa. Segundo a polícia, Fernandes facilitou a fuga do executivo do Copacabana Palace,, quando agentes tentavam cumprir um mandado de prisão preventiva contra o inglês.

De acordo com a polícia, as imagens de câmeras de segurança do hotel mostram os dois na área de funcionários do Copacabana Palace, e Fernandes orientando Whelan. O inglês conseguiu escapar minutos antes de os policiais chegarem para cumprir o mandado.

Procurado pela reportagem, o advogado negou ter conhecimento do mandado de prisão no momento em que deixou o hotel com Whelan. Ele afirmou ainda que saiu de lá para uma reunião com o cliente, sendo informado sobre o mandado depois.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia