Polícia Militar é vista na orla da Zona Sul um dia após arrastões

Corporação afirma que 50 PMs reforçam o policiamento nesta segunda-feira, como parte da operação especial de Verão

Por paloma.savedra

Rio - Um dia após os arrastões que tomaram as praias do Arpoador e Leblon, na Zona Sul do Rio, e causaram pânico entre cariocas e turistas, o policiamento na orla da região foi reforçado nesta segunda-feira, com a presença de 50 PMs do 23º BPM (Leblon). Segundo a Polícia Militar, o patrulhamento faz parte da operação especial de verão, que aumenta o contingente de militares nas praias, e que - de acordo com a corporação - foi antecipada já neste último fim de semana, quando bandos assaltaram e furtaram banhistas nas areias. 

GALERIA: Arpoador tem dia de verão e policiamento é reforçado na orla

Em dias de semana, serão 50 policiais atuando pela orla. Já aos finais de semana, 150 PMs, que contarão ainda com apoio dos batalhões de Choque, de Cães e de Policiamento em Áreas Turísticas. A assessoria da corporação não informou, porém, a quantidade de policiais que atuam ao longo do ano na orla. 

Praia do Arpoador teve reforço no policiamento nesta segunda-feira, com 50 militares atuando na orlaJosé Pedro Monteiro / Agência O Dia

O contingente extra desta segunda-feira na orla era maior no Arpoador, onde as areias eram disputadas pelos banhistas, devido ao forte calor no Rio. No entanto, para as estudantes Carla Marinho, 24, e Mariana Dias, 23, o reforço no patrulhamento não foi suficiente: "O que aconteceu ontem mostrou que nosso policiamento não deu muito resultado. É necessário que aumentem ainda mais o número de policiais aqui", declarou Carla. "Agora precisamos de uma atenção maior até em dia de semana, pois já é quase verão", opinou Mariana.

Na tarde deste domingo, cariocas e turistas foram roubados por bandos formados em sua maioria por menores em diversos pontos da orla. As ações duraram das 13h às 17h, quando policiais do 23º BPM ( Leblon), com o apoio do Batalhão de Choque, conseguiram conter a ação dos assaltantes que passavam correndo levando bolsas, celulares, tênis e outros objetos, causando pânico.

Momento em que um suspeito desceu a Pedra do Arpoador com um celular e fugiu pela areiaAngelo Antônio Duarte / Agência O Dia

Pelo menos cinco pessoas registraram queixas dos assaltos na 14ª DP (Leblon), na 13ª DP (Copacabana) e na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat) . Até o fim da tarde, dez suspeitos haviam sido detidos ou apreendidos. Uma das vítimas foi o presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, que caminhava pela orla com a mulher e o filho de 15 anos, além de dois casais de amigos, entre eles o preparador físico do clube de Santa Catarina, Anderson Paixão.

Segundo Sandro, por volta das 15h30, eles foram abordados por cerca de 10 rapazes. “Eles levaram o tênis do meu filho e a bolsa da minha esposa. Por sorte, só pegaram o celular dela e jogaram a bolsa na areia. Infelizmente, não temos segurança. E isso não é só no Rio. É no Brasil inteiro”, desabafou.

Bando rouba casal longe das areais

Longe das areias da praia também foram registrados roubos a pedestres praticados por bandos de assaltantes. Um casal que havia acabado de estacionar o carro em frente ao Condomínio Selva de Pedra, na Avenida Afrânio de Melo Franco, no Leblon, foi atacado.

Ela, que pediu para não ser identificada, conta que teve o cordão roubado por homens que aguardavam no ponto final do ônibus 476 (Méier-Leblon) e que se esconderam no coletivo

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia