Médico nega ter recusado atender grávida em Duque de Caxias

Obstetra diz que jovem que estava com bebê preso ao corpo pelo cordão umbilical não poderia ser atendida do lado de fora do hospital por questão de higiene

Por thiago.antunes

Rio - O obstetra suspeito de omissão no atendimento à auxiliar de escritório Aline da Silva Gomes, que na segunda-feira chegou ao Hospital Adão Pereira Nunes, em trabalho de parto, foi ouvido nesta sexta-feira na 60ª DP (Campos Elísios). Em depoimento, Alexandre Gomes de Barros negou ter se recusado a atender a jovem e o bebê prematuro, que se encontrava preso ao cordão umbilical, do lado de fora da unidade.

Aline deu à luz a bebê prematuro dentro do carro%2C a caminho do hospitalReprodução

Segundo ele, o pedido feito para que ela fosse levada ao centro cirúrgico visava sua segurança, por “questões de higiene e assepsia”. A falta de profissional de enfermagem no acolhimento, no entanto, causou a demora e culminou no óbito do recém-nascido.

O delegado José de Moraes Ferreira informou que as imagens de segurança da unidade mostram que um PM que acompanhava um paciente sob custódia solicitou o socorro duas vezes, antes da tragédia. As gravações também revelam que a demora foi de oito minutos e dez segundos, até que um pediatra tomasse a frente da emergência.

No entanto, o eventual indiciamento do médico ainda deve demorar, pelo menos, duas semanas. O tempo é necessário para que o exame complementar ao laudo do IML fique pronto. “Saberemos se a criança chegou a respirar ou se foi expelida morta”, explicou o delegado, que não descarta a tipificação por homicídio doloso.

Enquanto isto, a família da vítima não entende a falta de enfermeiro no setor de acolhimento. “Meu netinho não volta. Será sempre uma dor”, disse a avó da criança, Maria José Gomes. Ela, que viveu a agonia de auxiliar a filha durante o parto prematuro, dentro do carro, hoje desarruma o enxoval montado pela filha. “Aline está em Minas Gerais. Estou desmontando o quarto para que ela não viva esta dor ao voltar para casa”, disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia