Morte na linha férrea atrasa circulação no ramal de Santa Cruz

Vítima, identificada apenas como Jairo L., morreu no local. Intervalo entre os trens do ramal Santa Cruz, que varia entre 8 e 15 minutos, ficou irregular

Por marcello.victor

Estação Campo Grande ficou lotada%2C com intervalos irregulares no ramal Santa CruzSeguidor %40felipebln

Rio - Um homem morreu atropelado por uma composição próximo à estação de trens de Senador Camará, na Zona Oeste da cidade, por volta das 6h10 desta quarta-feira. De acordo com a SuperVia, a vítima, identificada apenas como Jairo L., atravessou a linha férrea de forma irregular.

Homens do quartel dos bombeiros de Realengo chegaram a ser acionados, mas já encontraram a vítima morta no local. Jairo foi atingido por um trem que seguia para Santa Cruz.

O intervalo entre as composições no ramal Santa Cruz, que varia entre 8 e 15 minutos, ficou irregular. Por volta das 9h, a circulação já estava em fase de normalização. Às 11h, os trens do ramal já circulavam com intervalos regulares. O corpo foi retirado da via às 7h13.

Em nota, a SuperVia disse que "acredita que o respeito à via férrea é a melhor forma de evitar acidentes, que colocam em risco a vida das pessoas e causam prejuízos aos passageiros com interrupções na oferta do serviço".

Ainda em nota, a concessionária afirmou considerar "indispensável o isolamento completo da área restrita à circulação de trens". Segundo a SuperVia, uma estimativa indica que existam até 150 passagens clandestinas ao longo da via e, para mudar esse cenário, a concessionária diz que negocia com os Governos Federal e Estadual a implantação do projeto “Segurança da Via”, cujo objetivo é realizar a segregação total da linha férrea, com a construção de muros, passarelas e viadutos.



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia