MP investiga quadrilha que pinta cães para vender na internet

Promotora Chistiane Monnerat diz que prisão de criminosos é ‘questão de tempo’

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A promotora de justiça Christiane Monnerat, da Promotoria de Meio Ambiente e Defesa dos Animais do Ministério Público, abriu inquérito para apurar a suposta existência de uma quadrilha especializada em “falsificar” cães vira latas, pintando-os com Color Jet — indicado para madeiras e aço — para vendê-los como animais de raça pela internet, conforme O DIA publicou nesta sexta-feira com exclusividade. A prática configura-se crime ambiental, de acordo com a Lei Federal número 9.605 de 1998 (Lei de Crimes Ambientais) e pode render de três meses a um ano de prisão para os autores.

“Quem faz esse tipo de covardia tem que ser punido exemplarmente. Com certeza vamos identificar e prender os integrantes desse bando. Maus-tratos desse tipo são inadmissíveis”, afirmou Christine. No dia 25 de setembro, um morador da Zona Norte passou por constrangimento ao dar de presente para a namorada um cão de quatro meses comprado por R$ 400 como se fosse yorkshire, mas que, no mesmo dia, um veterinário descobriu que se tratava de um vita-lata branco e marrom, que tinha sido pintado de preto e batizado de Thor.

O simpático vira-lata Thor foi pintado de preto para parecer yorkshire Fabio Gonçalves / Agência O Dia

De acordo com o veterinário Heitor Iglesias, que descobriu a farsa, casos como o de Thor têm se tornado comum. “Infelizmente esse tipo de ação criminosa tem se repetido com frequência”, lamentou Iglesias. A 33ª DP (Realengo), que apura o caso, não deu nenhuma informação sobre o andamento das investigações. O Instituo Estadual do Ambiente (INEA) colocou o telefone 2332-4604 para denúncia.

No dia 25, o engenheiro mecânico X., de 29 anos, que comprou o cachorro de um site de negócios, recebeu o bicho em casa, entregue por um motoqueiro, que não lhe forneceu nenhuma nota fiscal. No mesmo dia o cão, com os olhos vermelhos, começou a passar mal com diarreia e vômitos, intoxicado pela tinta. O animal também estava com o rabo quebrado e orelhas com talas para mantê-las em pé, imitando a raça yorkshire.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia