Mais Lidas

Almoço no Rio tentará 'roubar' votos favoráveis a Eduardo Cunha

Encontro será em apoio a Arlindo Chinaglia, do PT- SP, também postulante à presidência da Câmara

Por thiago.antunes

Rio - Políticos do Rio se reunirão na sexta-feira num almoço em apoio à candidatura do deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP) à presidência da Câmara. No cardápio, a fritura de Eduardo Cunha, do PMDB do Rio, favorito para ocupar a cadeira nos próximos dois anos.

Em campanha desde novembro%2C Eduardo Cunha diz contar com o apoio de 204 dos 513 deputadosFabio Gonçalves / Agência O Dia

Ele, que diz já ter garantido 204 votos do total de 513, ainda tem um cartucho para queimar se a candidatura petista ficar muito encorpada: o deputado federal Jair Bolsonaro (PP) disse estar predisposto a lançar candidatura só para servir de linha auxiliar ao nome do peemedebista. Além deles, Júlio Delgado (PSB-MG) é candidato, de oposição.

Organizado pelos parlamentares Clarissa Garotinho (PR), Jandira Feghali (PC do B), Alessandro Molon (PT) e Hugo Leal (Pros), líderes da “frente” pró-Chinaglia, o almoço será no restaurante La Fiorentina, no Leme. A 200 metros, no mês passado, Cunha reuniu o governador Luiz Fernando Pezão, o prefeito Eduardo Paes e deputados num encontro no Hotel Windsor.

A expectativa é ter pelo menos 15 dos 46 deputados federais do Rio no apoio à candidatura do petista. A dificuldade, segundo os organizadores, é reunir os deputados em meio ao recesso parlamentar — a posse em Brasília será no dia 1º de fevereiro, data da eleição do novo presidente.

Em entrevista ao DIA, em novembro, Clarissa Garotinho afirmou que, se Eduardo Cunha for eleito presidente da Câmara dos Deputados, o “escândalo do mensalão será fichinha”. Ontem, ela voltou à carga e criticou o peemedebista, que diz não ser de situação ou oposição ao governo, mas de “independência”. “Ele só não depende de ninguém para negociar o que for melhor para ele”, disparou Clarissa.

Sobre os 204 deputados que Eduardo Cunha contabiliza como certos para sua eleição na Câmara, Clarissa também discorda. “Ele blefa muito. Ele só está em vantagem porque começou a campanha antes. Ele é um lobista com mandato”. Outra das organizadoras do encontro, Jandira Feghali, líder do PC do B na Câmara, já definiu até um lema para o almoço: “Eduardo Cunha não passará”.

Chinaglia corre para conquistar votos do rivalABr

Os parlamentares do Psol fluminense serão convidados para o evento, mas o apoio deles ainda é incerto. Na avaliação dos defensores de Chinaglia, o voto dos psolistas é certo para um provável segundo turno entre ele e Eduardo Cunha.

Chinaglia reuniu cerca de 80 apoiadores num encontro após a posse da presidenta Dilma Rousseff, na semana passada, e disse que “não é independente quem indica cargo no governo”, em referência ao adversário. O peemedebista rebateu, dizendo que Chinaglia indicou o filho para conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O petista presidiu a Câmara de 2007 a 2009, durante o governo Lula.

Bolsonaro é a linha auxiliar

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) espera apenas a hora de entrar em cena. Em novembro, pouco depois de se sagrar como o deputado mais votado do Estado do Rio, declarou que seria candidato à presidência da Câmara para marcar posição e “ter dez minutos a mais de fama”. Agora, defende Eduardo Cunha, mas diz que, se a candidatura do PT crescer até fevereiro, será candidato. O curioso é que não pedirá votos ou fará proposta.

Quer apenas criticar o petista e saudar o PMDB. “Se a candidatura do PT crescer, sou candidato. E falarei para não votarem em mim, e sim no Eduardo Cunha. Se um petista assumir a Câmara, é o fim oficial da democracia. Usarei meus dez minutos na tribuna para reclamar disso”. Bolsonaro fez o mesmo em 2005, na eleição que elegeu Severino Cavalcante (PP-PE) para a presidência da Casa. Lançou-se candidato, teve apenas dois votos e usou seus dez minutos de fala na tribuna para atacar adversários. Eduardo Cunha não atendeu as ligações da reportagem.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia