Unesco estimula uso de celulares em salas de aula

Juiz na Bahia veta aparelhos e ida à lan house no horário escolar. No Rio, medida vigora há sete anos

Por nicolas.satriano

Rio - A maioria das escolas públicas e particulares fluminenses impede o uso do telefone celular dentro de sala de aula. A proibição respaldada em duas leis — municipal e estadual — é polêmica e divide a opinião de educadores e juristas. Embora as escolas sejam resistentes aos aparelhos móveis nas mãos de seus estudantes, a Unesco, órgão das Nações Unidas para a Educação e a Ciência, recomenda e até estimula a prática em sala de aula.

A partir de uma pesquisa realizada com educadores em mais de 20 países, a Unesco montou um roteiro para transformar os aparelhos móveis, como telefone celular, tablets e smartphones, em ferramentas pedagógicas. Na avaliação do órgão internacional, o acesso à tecnologia facilita a aprendizagem e auxilia o professor em escolas regulares, de ensino técnico e até na pré-escola.

O Colégio Elite%2C que proíbe aparelhos em sala%2C oferece exercícios online%2C acessados de casa por alunosDivulgação

A proposta não foi seguida pelo juiz José Brandão Neto, de Feira de Santana, na Bahia. Ele publicou portaria vetando celulares nos colégios e a ida dos alunos à lan houses no horário escolar. No Rio, o impedimento já havia sido instituído em 2008. Pela lei estadual, o uso de celulares, tablets, ipods, fones de ouvido, agendas eletrônicas e máquinas fotográficas em sala de aula só é permitido com autorização do professor para ajudar no estudo da disciplina.

No Colégio Elite de Ensino, a norma é manter os aparelhos desligados dentro de sala. “Por mais que a a aula esteja interessante, o aluno perde o foco quando recebe uma mensagem no celular”, diz o diretor pedagógico Edson Moscoso.

Ele explica que a escola trabalha com vídeos-aula e exercícios online para serem acessados de casa pelo estudante. Aluno do 3º ano do Ensino Médio, Hugo Concolato, 17 anos, costuma usar o celular nos intervalos das aulas para tirar dúvidas. “Hoje em dia, é difícil sair de casa sem celular. Acho que é uma questão de bom senso.Ele ajuda muito se for bem usado. Dá para fotografar conteúdo dado”, defende.

Tecnologias aproximam escola e família, diz cartilha

A cartilha lançada pela Unesco propõe a aprendizagem a qualquer hora e em qualquer lugar. O organismo sugere aos educadores recorrer aos aparelhos digitais portáteis para acessar recursos educacionais, conectar-se a outras pessoas ou criar conteúdos, dentro ou fora da sala de aula.

A prática também pode aproximar as escolas das famílias, já que, segundo o órgão, o mundo tem mais de 3,2 bilhões de pessoas usando celulares. O aparelho tem infinitas possibilidades, que permitem, por exemplo, baixar mapas interativos ou linha do tempo com fatos históricos. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia