Por paloma.savedra
O juiz federal Flávio Roberto de Souza foi flagrado dando uma voltinha no veloz Porsche de Eike que o próprio magistrado mandara leiloarReprodução

Rio - Além representar contra o juiz titular da 3ª Vara Criminal da Justiça Federal do Rio, Flávio Roberto de Souza, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-RJ), a defesa de Eike Batista pretende ainda ajuizar ação de danos morais contra o magistrado, por ele ter usado o Porsche Cayenne apreendido do empresário.

O flagra foi feito na terça-feira, quando também foi descoberto que Souza levou mais dois automóveis apreendidos de Eike para o seu condomínio, além do piano, deixado na casa de um vizinho.

No entendimento dos advogados, o ato é uma "afronta à lei" e "extrapola o exercício de sua profissão". Sérgio Bermudes, que defende Eike no tribunal, lembra ainda diversas declarações dadas pelo juiz, antecipando seu entendimento antes mesmo de proferir a decisão, e diz que Souza "persegue Eike": "Ele é um torturador moral, não faz Justiça, quer causar sofrimento", afirmou Bermudes.

A defesa já havia pedido o afastamento do juiz do caso, alegando parcialidade do mesmo. A conclusão do julgamento - feito por três desembargadores federais - da suspeição do juiz será na próxima terça-feira, 3 de março. O pedido é analisado pela 2ª Turma Especializada do TRF da 2ª Região e o desembargador relator Messod Azulay já deu voto favorável à medida. A desembargadora Simone Schreiber acompanhou o magistrado. O terceiro desembargador, Marcello Granado, pediu vistas ao processo. 

Leia mais:

Corregedoria repudia ato de juiz e abre nova sindicância

Juiz é flagrado usando carro apreendido de Eike Batista

Polícia Federal apreende bens de Eike Batista

Na ação penal que corre na 3ª Vara Criminal da Justiça Federal, Eike responde por falsidade ideológica, formação de quadrilha, indução do investidor ao erro, uso de informações privilegiadas e manipulação de mercado.

O ato de Souza levou a Corregedoria do TRF a abrir duas sindicâncias para investigar a conduta de Souza. A corregedoria chegou a repudiar o fato e dizer que a postura adotada pelo juiz "mancha a imagem da magistratura".

Você pode gostar