Cabos da PM acusados de executar adolescente se calam em audiência

Os agentes são acusados de homicídio e ocultação do cadáver de menino de 14 anos encontrado morto no Sumaré

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Acusados de executar um jovem de 14 anos na Estrada do Sumaré, no Parque Nacional da Tijuca, em junho passado, os cabos da PM Fábio Magalhães Ferreira e Vinicius Lima Vieira optaram pelo silêncio, ontem, em audiência na Auditoria da Justiça Militar.

Na ocasião, Mateus dos Santos levou tiro na cabeça, tórax e perna, e não resistiu. Um outro adolescente, de 15, foi baleado, mas sobreviveu. Um terceiro também foi pego na Avenida Presidente Vargas, levado ao Sumaré, mas acabou liberado sem ferimentos.

Pai de Mateus esteve no Fórum com familiares%3A ‘Acredito na Justiça’Fabio Gonçalves / Agência O Dia

“Quem cala consente. Acredito que a justiça será feita”, declarou Tiago dos Santos, pai de Mateus. A defensora pública que atua na defesa de Vinícius, Cláudia Valeria Taranto, disse que o silêncio do policial foi orientação técnica garantida pela Constituição. De acordo com ela, o próximo passo será aguardar o depoimento das testemunhas de acusação para compor a prova de defesa. A juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros marcou uma nova audiência para o dia 31 deste mês, às 14h. Os agentes são acusados de homicídio e ocultação do cadáver.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia