Sonho da Linha 3 do metrô mais distante

Pezão diz achar ‘difícil’ iniciar logo obras do metrô Niterói-São Gonçalo e prefere BRTs no local

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio -  Uma das promessas de campanha do governador Luiz Fernando Pezão, a Linha 3 do metrô, que ligaria Niterói a São Gonçalo, está cada vez mais distante de se tornar realidade. Durante viagem inaugural da nova barca da Linha Rio-Niterói, Pezão classificou como “difícil” a possibilidade de as obras serem iniciadas em curto prazo e voltou a alegar que o BRT é a opção mais viável no local. Segundo o governador, que no fim de fevereiro havia dito que iria discutir a alteração com a sociedade, o sistema de corredores expressos de ônibus traria uma economia de cerca de R$ 2 bilhões em relação ao projeto de metrô, orçado em R$ 3,9 bilhões, além de atender também à população de Itaboraí.

Pezão argumenta que, com orçamento de R$ 1,7 bilhão é possível construir dois corredores com 46 quilômetros, e que a obra seria mais rápida do que o metrô. O governador defende a opção do BRT para que o projeto seja iniciado sem que o estado precise esperar a liberação de orçamento da União, que ainda não foi votado. Segundo ele, técnicos da Secretaria Estadual de Transportes estão discutindo com representantes dos Ministérios de Planejamento e das Cidades a possibilidade da implantação do sistema.

A viagem inaugural da barca Pão de Açúcar durou 19 minutos%2C mas estima-se que a média de tempo será de 15 minutos. Atualmente%2C as travessias mais rápidas levam 20 Bruno de Lima / Agência O Dia

“Eu coloquei essa discussão porque o governo federal ainda não aprovou o orçamento. Nós queremos ver quais cortes virão. Estive com o ministro Gilberto Kassab (das Cidades) e ele mostrou que o orçamento pode sofrer diversos cortes. A população não pode mais esperar”, afirmou. Para o governador, em um momento de crise, o BRT traria vantagens. Além de mais barato, não precisaria importar equipamentos — os veículos podem ser encomendados no Brasil. “Claro que eu queria fazer o metrô se eu tivesse dinheiro.

Mas o orçamento da União nem foi aprovado, e não posso ficar esperando. Em um ano e meio ou dois, a gente entrega a obra (do BRT). Eu quero fazer o que é mais rápido, o que vai dar emprego.” O professor de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ, Paulo Cézar Ribeiro, comentou que para o meio de transporte ser eficiente depende da adequação à demanda. “O Plano Diretor de Transporte Urbano (PDTU) que está em atualização vai mostrar qual é essa demanda. Se a capacidade do BRT, inferior à do metrô, for menor que essa demanda, fica difícil”, explicou.

À noite, a Secretaria Estadual de Transportes enviou nota afirmando que as duas opções ainda estão em estudo, considerando a situação econômica do país e o PDTU. Segundo o órgão, os dois corredores BRT sairiam do Centro de Niterói e se cruzariam em Alcântara, atendendo também à população de Itaboraí e Maricá. Com isso, os BRTs atenderiam a 310 mil passageiros por dia. Já a demanda da Linha 3 seria de 229 mil passageiros por dia.

Barca faz travessia inaugural e reduz tempo de viagem

“A primeira das sete barcas compradas pelo governo do estado na China, a Pão de Açúcar, com capacidade para 2 mil pessoas, entrou em operação no fim da manhã de quarta-feira. Segundo o governador Luiz Fernando Pezão, ainda neste semestre outras três embarcações serão entregues e, até à Olimpíada, todas devem estar em operação.

Equipada com ar-condicionado, bicicletário e banheiro adaptado para cadeirantes, a Pão de Açúcar foi adquirida por aproximadamente R$ 32 milhões, o mesmo valor das demais compradas na China. O interior da barca é maior e o passageiro sente menos o balanço do mar. Outra vantagem é que a embarcação tem dupla proa, o que elimina a necessidade de manobrar antes das operações de embarque e desembarque. “Isso já é uma economia de quase cinco minutos nesta travessia”, disse Pezão.

A viagem inaugural durou 19 minutos e a abertura das portas para desembarque, três minutos, o que deixou os passageiros um pouco impacientes. Segundo o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, o tempo médio de travessia será de aproximadamente 15 minutos, porém, caso necessário, o tempo de viagem pode cair para até dez minutos. A travessia nas barcas mais rápidas, antes da Pão de Açúcar, levava 20 minutos. A princípio, a nova embarcação realizará 12 viagens por dia, sempre na hora do rush, pela manhã e à tarde.

“Hoje (quarta-feira), lá na China, a segunda barca, Corcovado, fez o teste na água. A expectativa é que ela chegue ao Rio em abril e já comece a operação em junho”, adiantou Osório. As travessias do Cocotá, na Ilha do Governador, e de Charitas, em Niterói, para a Praça 15 também terão novas embarcações, de 500 lugares, que estão sendo construídas no Ceará.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia