Sindicalistas fazem ato a favor da Petrobras no Centro

Segundo organizadores, ato reuniu cerca de 6 mil pessoas, enquanto que a PM estimou em mais de 4 mil

Por paulo.lima

Rio - Uma manifestação convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) reuniu entre 5 e 6 mil pessoas, hoje à tarde, na Cinelândia, em defesa da Petrobras. Segundo a Polícia Militar, pelo menos 4 mil pessoas estiveram presentes ao ato, que contou também com estudantes, representantes de partidos políticos como PT, PSB e PCdoB, além de muitos petroleiros.

Garis fazem manifestação em frente ao prédio da Prefeitura do Rio

Passeata foi promovida por membros da CUT%2C FUP e SindipetroSeguidora %40Mariliamas


Um dos líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, encerrou os discursos com uma intimação à presidenta Dilma Rousseff. Prevendo uma luta de classes nas ruas das grandes capitais ao longo do ano, Stédile chamou a presidenta para se juntar aos trabalhadores.

“Dona Dilma, saia do palácio e venha para as ruas ouvir este povo que ansia por mudanças. É hora de ir para a rua disputar ideias porque a política é feita assim, de disputa de ideias. O povo não tem maioria nos tribunais e no congresso, mas tem nas ruas”, disse Stédile.

O líder do MST também defendeu a reforma política como antídoto contra a corrupção, mas duvidou que ela seja aprovada no Congresso Nacional. Stédile pediu uma nova Assembleia Constituinte.

“A resposta para a crise seria uma reforma política, mas ela nunca vai acontecer neste congresso onde há 47 indiciados por corrupção, entre eles o presidente da Câmara (Eduardo Cunha) e do Senao (Renan Calheiros). É preciso uma nova Constituinte” disse Stédile.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia