Beijaço em protesto contra agressão homofóbica reúne 200 na Zona Sul

Alguns manifestantes participaram de uma ‘guerra de purpurina’

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Em protesto contra a homofobia, cerca de 200 pessoas fizeram nesta sexta-feira à noite um beijaço coletivo na Praça São Salvador, em Laranjeiras, Zona Sul do Rio. Alguns manifestantes participaram de uma ‘guerra de purpurina’. O ato foi organizado depois de um caso de agressão a dois homens que teria se beijado dentro do bar Casa Brasil, no dia 1º de março. As vítimas prestaram depoimento na 9ª DP (Catete) e, segundo a Polícia Civil, os autores foram identificados e intimados para depor.

Aos gritos de ‘eu beijo homem, beijo mulher, tenho direito de beijar quem eu quiser’ e ‘não haverá mais guetos’, o grupo que ainda pintou no chão da praça ‘amar é um direito humano’ pediu pelo fim dos crimes homofóbicos em frente ao bar.

Manifestação teve clima de bom humor e até guerra de purpurinaAndré Luiz Mello / Agência O Dia

“Jogaram garrafas e tulipas no casal. O erro do bar é que continuou aberto e quando os copos foram quebrados eles ainda forneceram mais para os clientes. A Praça São Salvador está muito violenta”, afirmou o integrante da Frente Beijo na Praça e do Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual, Victor Comeira, de 31 anos.

Proprietários do Casa Brasil estenderam uma faixa de apoio à campanha contra a homofonia. “A confusão não aconteceu aqui dentro. Quando o casal deixava a casa, foi agredido. Repudiamos esses atos violentos. Nunca fornecemos copos para serem usados em brigas”, garantiu o advogado Marcus Fontenelle.

O ato, que reuniu lésbicas, gays, travestis e drag queen contou com a presença do deputado estadual Carlos Minc (PT). Ele afirmou que pretende promover em abril uma audiência para discutir os casos de agressão a homossexuais na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Já o coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofonia, Cláudio Nascimento, informou que após uma reunião com a Polícia Militar, policiais à paisana vão atuar na Praça São Salvador.

‘Ameaça por causa de beijo’

Para Anita Rivera Guerra, 18 anos, e Luiza Martelotte, 19, o beijaço serviu para mostrar à sociedade que o homossexual deve ser respeitado. “Temos que ser aceitos em qualquer lugar. Já sofremos ameaças só por trocar um beijo”, criticou. De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia, em 2014 foram registrados 326 assassinatos de lésbicas, gays e travestis no país. Só no Rio foram 22.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia