Mãe de bancário executado com um tiro na nuca há 7 anos pede rigor da Justiça

Julgamento do caso será nesta terça-feira e começa com ato no Fórum

Por nicolas.satriano

Zely%3A “Estou Juntando os cacos”Estefan Radovicz / Arquivo Agência O Dia

Rio - Sete anos depois do crime e vários adiamentos, começa nesta terça-feira, às 13h, no 2º Tribunal do Júri, o julgamento dos supostos assassinos do bancário Marcelo Vidal, 28 anos, morto em abril de 2008, com um tiro na nuca, numa emboscada, no Andaraí. Às 11h, em frente ao Fórum, a mãe da vítima, Zely Vidal, 70, comandará um ato em defesa de leis mais severas para assassinos.

“Renascendo das cinzas e juntando meus cacos, convoco a todos para dar um basta na impunidade”, diz, emocionada, Zely. “Quero ver os matadores do meu filho atrás das grades”, desabafa.

Os principais acusados do crime são a viúva Anny Viana, 35, apontada pela Polícia Civil como a mandante da execução (por conta de um seguro de vida de R$ 380 mil que Vidal tinha feito), e Sandro Tabachi, que também teria participado da trama. Ambos negam qualquer tipo de envolvimento no caso.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia