Suspeitos de furto de carga de projetores são presos no Espírito Santo

Os 121 projetores são avaliados em mais de R$ 24 milhões. Segundo a polícia, é o maior furto de cargas do país

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul prendeu nesta terça-feira três suspeitos de furtarem uma carga de 121 projetores de cinema no Rio de Janeiro, avaliada em mais de R$ 24 milhões. A prisão foi efetuada no Espírito Santo. Segundo a  Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado do Mato Grosso do Sul (Deco-MS), este é o maior furto de cargas do país. Os presos serão indiciados nos crimes de organização criminosa especializada em furto e roubo e receptação de cargas de alto valor. 

A 'Operação Projeção'  prendeu os suspeitos nas cidades de Viana e Cariacica, na Grande Vitória. Policiais do Mato Grosso deram início à investigação após parte da carga ter sido recuperada no estado do Centro-Oeste.  A operação encontrou o material na cidade de Colatina, no interior do Espírito Santo.

Carga foi apreendida no Espírito Santo por policiais civis do Mato Grosso do SulDivulgação

Os equipamentos, que seriam distribuídos para salas de cinema do sul do país e também para o interior de São Paulo, estariam avaliados em R$ 24 milhões — incluindo o valor do produto e a logística de transporte e entrega — de acordo com a empresa responsável pela distribuição dos conjuntos.

Segundo o diretor da empresa, os vizinhos acharam que se tratava de uma operação normal, pois os criminosos abriram normalmente a porta lateral do depósito, empurraram as empilhadeiras e usaram caminhões que eles mesmos levaram, em um total de seis. Cada conjunto do sistema de projeção pesa de 100 a 150 quilos, são volumosos e grandes.

Os projetores roubados seriam utilizados para substituir os de sistema analógicos por digitais. Segundo informações da empresa responsável, os equipamentos não teriam utilidade para quem roubou. Eles só funcionam quando o número de série é fornecido pelo dono do conteúdo, o estúdio, ou o distribuidor, para as salas que vão exibir. As principais peças têm números de série rastreáveis.



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia