Por nicolas.satriano

Rio - O dono de um bar foi morto a tiros dentro de seu estabelecimento na Favela do Batan, em Realengo. O crime ocorreu na noite de desta quarta-feira na comunidade, que é ocupada pela polícia desde fevereiro de 2009. A Delegacia de Homicídios (DH) da Capital investiga o caso.

O comerciante Francisco Carlos Vieira de Souza, de 41 anos, estava no bar, na Estrada do Engenho Novo, quando homens chegaram no local e dispararam vários vezes. Segundo informações, Carlão, como era conhecida a vítima, estava recebendo ameaças de morte e já havia comunicado aos policias da UPP da comunidade. O comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) local afirma ter orientado a vítima a procurar a delegacia para o registro de ocorrência por ameaça.

Os moradores também denunciam que houve uma diminuição no número de policiais da unidade policial da favela. O Comando da UPP disse que a informação não procede.

Segundo um amigo da vítima, ele era casado e tinha um filho. "Perdi um amigo. Agora, depois do crime, colocaram um monte de homens na porta do bar, cheio de sangue. Por que não fizeram isso quando ele foi ameaçado?", disse o amigo, de 45 anos.

Ele reclamou do patrulhamento na comunidade e também denunciou que há a presença de tráfico de drogas na região. O Comando da UPP diz que o número de apreensões de drogas é historicamente baixo, o que é uma característica da área.

O enterro de Carlão aconteceu no final da tarde de ontem, no Cemitério do Murundu, em Padre Miguel.

Você pode gostar