STJ derruba quebra de sigilo telefônico das advogadas de Sininho

Interceptação foi autorizada pelo TJ, em inquérito que investiga a prática de associação criminosa ligada aos atos de 2013

Por thiago.antunes

Rio - O Superior Tribunal de Justiça (STJ) derrubou, na última quinta-feira, uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que autorizava a quebra do sigilo dos telefones de duas advogadas que defendem a ativista Elisa Quadros Pinto, conhecida como Sininho.

A interceptação foi autorizada pela 27ª Vara Criminal do Rio em um inquérito que investiga a prática de associação criminosa ligada às manifestações de junho de 2013. A princípio, os grampos também foram feitos em telefones fixos do Instituto de Defensores de Direitos Humanos, associação civil que presta assistência jurídica aos manifestantes.

A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro alegou que a ordem judicial "violou a inviolabilidade da comunicação entre advogado e cliente e o Estatuto da Advocacia". Como o Mandado de Segurança foi rejeitado pelo TJ, o caso foi parar no STJ.

STJ derrubou autorização de quebra de sigilo de telefones das advogadas de SininhoSeverino Silva / Agência O Dia



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia