Parentes de Gilson e Wanderson, mortos no Dendê, depõem nesta quinta

Policial civil confessou ter atirado contra moradores de favela na Ilha do Governador durante operação na última terça-feira

Por tiago.frederico

Rio - A Divisão de Homicídios da Capital (DH) segue investigando as mortes de Gilson da Silva dos Santos, de 12 anos, e Wanderson Jesus Martins, de 23 anos. Segundo o delegado titular da especializada, Rivaldo Barbosa, já foi realizada uma perícia no local onde o adolescente e o pescador foram mortos e no helicóptero utilizado na operação da Polícia Civil. Nesta quinta-feira, parentes de familiares das vítimas prestam depoimento na delegacia.

Em depoimento nesta quarta-feira, um policial civil disse ter visto Gilson e Wanderson armados e atirou neles para se defender. Duas pistolas que foram encontradas próximo aos corpos de Wanderson e Gilson, assim como as armas utilizadas pelos policiais que estavam no local, foram apreendidas para perícia. Ainda segundo o delegado, caso haja necessidade, será solicitada uma reprodução simulada dos fatos.

LEIA MAIS: Policial confessa ter atirado em pescador e criança no Morro do Dendê

Gilson da Silva dos Santos%2C 12%2C e Wanderson Jesus Martins%2C 23%2C foram mortos em operação da Polícia Civil no Morro do Dendê%2C na Ilha do GovernadorReprodução / Facebook / Paulo Araújo / Agência O DIA

Em entrevista ao DIA nesta quarta-feira, parentes de Wanderson Martins voltaram a acusar os policiais pela morte do pescador e do adolescente. Os corpos das vítimas foram enterrados ainda ontem no Cemitério do Cacuia, na Ilha do Governador.

"Minha mãe está melhor agora, já chorou, se conformou, a ficha caiu. A namorada dele está em estado de choque. O filho do Wanderson, de 4 anos, já sabe que o pai morreu. Ele está com um vizinho nosso", disse um parente do pescador antes do enterro. O parente contou a sua versão de como foram mortos o adolescente e o homem.

"Eles eram amigos e estavam nessa padaria que funciona no quintal de uma casa. O Wanderson saiu para comprar pão para o filho ir para a escola. Quando o helicóptero da polícia começou a atirar, eles se esconderam dentro de um banheiro na padaria, com medo. Os policiais, que estavam a pé, mandaram eles saírem da padaria. Assim que o Wanderson saiu, os policiais atiraram contra ele. Eles deram um tiro primeiro na perna e depois na barriga", relatou.

De acordo com o parente da vítima, Gilson, que estava no chão do banheiro, viu o Wanderson ser morto pelos policiais. "Eles deram três tiros para dentro do banheiro. Um pegou na cabeça, outro atingiu o peito e o terceiro foi no braço da criança", disse. Ainda segundo o familiar, após atirarem nos dois, os policiais espalharam próximo aos corpos drogas que estavam em uma mochila que havia sido apreendida com traficantes.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia