Por nicolas.satriano

Rio - João Gabriel de Castro, de 22 anos, idealizador da festa que terminou em tragédia na madrugada de sábado, na Gávea, prestou depoimento ontem, na 14ª DP (Leblon). No centro dos questionamentos que duraram mais de três horas, estava a agressão atribuída ao irmão dele, José Philippe de Castro, 28, pelos demais presentes ao evento que terminou com três pessoas feridas por um objeto cortante. O acusado foi transferido na manhã de ontem para o Complexo Penitenciário de Gericinó.

Ana Carolina Romeiro, atingida pelo menos três vezes no peito, apresentou melhora em seu quadro clínico na tarde de ontem, mas continuava na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

José Philippe de Castro%3A acusado por agressões em festa na GáveaFabio Gonçalves / Agência O Dia

Segundo a direção da Clínica São Vicente, ela já respirava sem ajuda de ventilação mecânica e estava consciente. O noivo dela, Gabriel Silva, que teve a orelha decepada, permanece internado no Hospital Copa D’or, onde passou por cirurgia na região atingida e disse a amigos que “encontrava-se muito abalado psicologicamente”. 

O terceiro ferido, Lourenço Mayer Brenha, já havia prestado depoimento no sábado. Foi o relato dele que fez com que o plantão judiciário decretasse a prisão temporária de cinco dias de José Phillipe.

O suspeito teria chegado por volta das 5h em casa e discutido com os convidados do irmão ao exigir o fim da festa. Um objeto cortante teria sido usado para cortar a orelha de Gabriel e, ao tentar conter o agressor, os demais teriam sido feridos. Segundo o delegado Pedro Casaes, José Phillippe responderá por duas tentativas de homicídio (contra Ana Carolina e Gabriel) e lesão corporal contra Lourenço.

Na versão do acusado, teria havido luta corporal após ter chegado em casa e visto pessoas consumindo drogas. Ele nega que tenha utilizado qualquer objeto cortante. Porém, a polícia recolheu um saca-rolhas sujo de sangue e garrafas quebradas dentro da casa. Contra o acusado também pesam, pelo menos, oito passagens em delegacias por violência doméstica e constrangimento ilegal, entre outros crimes


Você pode gostar